Cicinho deverá ter a última chance

Cafu terá vida longa na seleção, apesar dos 35 anos completados no mês passado. Cicinho, destaque do futebol brasileiro na temporada, poderia ser a grande sombra do titular da lateral-direita, mas não se apresentou bem na derrota contra o México, no domingo. E está cada vez mais longe do Mundial de 2006. Parreira, apesar da fraca exibição do jogador do São Paulo, deve prestigiá-lo contra o Japão, nesta quarta-feira, em Colônia. O técnico está inclinado a mudar quase toda a defesa da seleção. Cicinho entraria na barca dos candidatos à degola. Só não deixará o time porque Maicon (Monaco), convocado às pressas com o corte de Belletti, ainda vive as "férias".Quando Parreira foi obrigado a desconvocar Belletti, a dois dias do início da Copa das Confederações, Maicon passeava pelas praias de Florianópolis há mais de dez dias. "Trouxemos quatro laterais para observações. Em dois jogos (Grécia e México) já deu para analisar os dois que jogaram (Cicinho e Gilberto). Vamos ver o Léo. O Maicon eu já conheço, foi titular na Copa América (em julho de 2004, no Peru)", disse Parreira. Parreira gostaria de trocar Cicinho por Maicon nesta quarta-feira, contra o Japão. Só não confirma a mudança porque o lateral do Monaco ainda não se recuperou da "temporada de férias". "Ele não está na condição ideal", contou o treinador. Léo, lateral-esquerdo do Santos, também busca seu espaço no grupo. Aos 28 anos, ele será o titular contra os japoneses. Terá a grande chance na partida decisiva da seleção na Copa das Confederações."É muito bom que seja assim. Se o Brasil estivesse classificado, o jogo seria morno. Como precisamos de vencer ou pelo menos empatar, a partida será bem disputada. Este tipo de jogo é que nos motiva ainda mais", disse Léo, no treino dos reservas nesta segunda-feira, em Leverkusen.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.