Cicinho já prepara a festa do título

O "bombeirinho" vai sair. Fará muito barulho pelas ruas de Pradópolis, cidade de 15 mil habitantes a 280 quilômetros da capital. No volante do fusca 95, vermelho, estará o irmão de Lindaci, dona do carro: Cicinho, o lateral do São Paulo. "Vai ser o primeiro título da minha carreira, quero comemorar muito. Vou fazer um churrasco na minha casa para os amigo. E vou buzinar muito nas ruas", diz o lateral. O fusca é todo cheio de mudanças. Tem tapetes com o nome de Cicinho gravado, é rebaixado, as rodas são de liga leve e tem até DVD.Há outro motivo para que Cicinho comemore muito. "Em Pradópolis, que tem 15 mil habitantes, mais de dez mil torcem para o São Paulo. Todo mundo está me cobrando esse título. Se não conseguir vencer, eles acabam me linchando." Se há tanto são-paulino assim em Pradópolis porque Lindaci conseguiu seu fusca em um bingo promovido pelo Palmeiras em Araraquara? "Isso aí não quer dizer nada. Minha família sempre torceu para o São Paulo", diz, com veemência Cicinho, apesar do sobrenome Cézare, bem italianado.Tanto entusiasmo de Cicinho não significa que ele considere o título como algo já conquistado. Nem os sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado fazem com que assuma a conquista. "Na Libertadores do ano passado, eu senti o título mais perto do que estou sentindo agora e terminamos desclassificados. Todo mundo achava que a gente passarias pelo Once Caldas e não deu certo. Por isso, todo o cuidado é pouco", diz.Barra - Ele lembra que há ainda o confronto direto contra o Santos. "Esse é um jogo muito difícil. Se a gente perder lá na Vila, ficam só quatro pontos de vantagem. E nós ainda temos mais jogos difíceis para enfrentar. Não dá para descuidar." Outra coisa que Cicinho não quer nem ouvir falar é em título invicto. "Nós nem somos campeões ainda e eu não vou falar uma coisa dessas. Se a gente for campeão, então dá para pensar em continuar vencendo para terminar invicto." Na verdade, o São Paulo estaria apenas continuando a prática de trabalho adotada desde a quinta rodada do Campeonato Paulista. "O Leão falou que a gente precisava ganhar os quatro primeiros jogos para conseguir uma vantagem. Ganhamos e não teve vantagem nenhuma. Então, a ordem foi pensar só no jogo seguinte, sem desviar atenção. Vai ser assim até o fim." E, depois, tome buzina...

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.