Cicinho vive a grande fase da carreira

Cicinho só conseguiu dormir às quatro da madrugada. No meio da tarde, a bateria do telefone celular acabou, de tantas ligações que recebeu. O dia foi realmente especial para o lateral-direito do São Paulo. Além de festejar o golaço que marcou na vitória sobre o Palmeiras, por 1 a 0, quarta-feira à noite, pela Libertadores, ele foi convocado pelo técnico Carlos Alberto Parreira para defender a seleção brasileira na Copa das Confederações. "É minha melhor fase como profissional e estar na seleção é prova disso", admitiu.Não é de hoje que Cicinho vem se destacando pelo São Paulo, mas só agora tem suas qualidades reconhecidas pela comissão técnica da seleção - antes disso, só havia sido chamado para o amistoso contra a Guatemala, em abril. "Vou ter mais tempo de mostrar meu futebol", afirmou o lateral, pensando na Copa das Confederações, em junho, na Alemanha.Cicinho disse que ainda não pensa na Copa de 2006, mas sabe que terá de disputar a posição com Belletti - como reserva de Cafu - para ir ao Mundial da Alemanha. "Nós dois queremos jogar, mas ele está em vantagem, pelo que já conquistou", reconheceu o jogador do São Paulo."Passei a aprimorar os chutes depois de um telefonema que o Neto me deu", revelou o lateral, lembrando dos conselhos que recebeu do ex-jogador, com passagens por Corinthians, Palmeiras e Guarani. "Ele falou que só me faltava isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.