Cidimar é o herói do Guarani x Ponte

Após o término do justo empate no dérbi campineiro entre Guarani e Ponte Preta, por 2 a 2, as atenções estavam voltadas para o herói do confronto, o atacante Cidimar que entrou em campo aos 22 minutos do segundo e marcou os dois gols para os bugrinos. Fábrica de ídolos, Cidimar escreveu seu nome na história dos confrontos da cidade, que em 93 anos, chegou ao seu duelo de número 180."Dedico estes gols à minha família, que sempre me deram apoio. Fiquei cinco anos lá no sul, passando dificuldades, mas agora espero brilhar com a camisa do Guarani", disse o herói que estava no Caxias, de Caxias do Sul (RS). Sua família mora na capital de São Paulo.Os últimos confrontos também fizeram heróis. Ano passado, Weldon marcou três gols pela Ponte Preta, na vitória por 3 a 1. Em 2003, o argentino Dario Gigena marcou três gols para a Ponte, enquanto no mesmo ano Rodrigão foi herói do Guarani numa vitória de ntro do Majestoso.Os dois técnicos aprovaram o empate. Para Jair Picerni, o Guarani merecia "até a vitória, porque sempre buscamos o gol e tivemos boas chances no final". Nenê Santana, da Ponte, considerou o empate normal e deixou para segunda-feira a decisão sobre sua permanência no comando do elenco. Os jogadores pediram à diretoria para que ele continue, mas a pressão da torcida é grande após três derrotas e somente um empate em quatro rodadas.No Guarani ainda, o dérbi serviu como despedida do meia Simão, que se transferiu para o Atlético Paranaense. Em troca, o Guarani vai receber o meia Rodriguinho, que disputou a Série B pelo Bahia. Outros jogadores devem trocar o Brinco de Ouro pela Arena da Baixada, numa parceria firmada entre as direções dos dois clubes. O meia Tucho, do Atlético Mineiro, foi confirmado como reforço, fez exames médicos e assinou contrato no sábado cedo. A vinda do meia Luciano Ratinho, do Corinthians, está descartada por falta de acordo financeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.