Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Cinco desafios que o próximo técnico do Palmeiras terá pela frente

Após demissão de Felipão na segunda-feira, Mano Menezes é o favorito para assumir o comando da equipe

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2019 | 04h30

O substituto do técnico Luiz Felipe Scolari, demitido na segunda-feira pelo Palmeiras, terá desafios pela frente no comando da equipe. O principal alvo da diretoria alviverde é Mano Menezes, livre no mercado desde que saiu do Cruzeiro em agosto.

A diretoria tem pressa para contratar o novo treinador. O próximo compromisso do time será no sábado, em partida contra o Goiás, no Serra Dourada, pela 18.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras é o quinto colocado na competição, a seis pontos do líder Flamengo, mas tem um jogo a menos. Depois, o time receberá na terça-feira, dia 10, o Fluminense, no Allianz Parque, em jogo atrasado da competição.

Arrumar a defesa

Antes alicerce, o sistema defensivo do Palmeiras tem deixado a desejar neste segundo semestre da temporada. Após a pausa para a Copa América, a equipe só não foi vazada em três dos 13 jogos disputados. No último domingo, o time sofreu a única derrota por três gols de diferença nesta terceira passagem de Felipão pelo clube.

Melhorar a criação

Embora tenha jogadores importantes no sistema ofensivo, o Palmeiras tem sofrido para levar perigo aos adversários. A criação da equipe vem sendo bastante criticada nos últimos meses. Na derrota para o Flamengo, por exemplo, o time teve 35% da posse de bola e foi massacrado no Maracanã. Já na eliminação para o Grêmio na Copa Libertadores da América, o Palmeiras não conseguiu reagir após levar a virada no primeiro tempo.

Recuperar os encostados

O atual elenco alviverde conta com 31 jogadores, e alguns estão tendo poucas oportunidades. Os principais casos são do meia Lucas Lima, nem sequer relacionado para as últimas partidas, e do centroavante Borja. O volante Matheus Fernandes não vinha atuando, mas foi titular no confronto com o Flamengo. O meia Hyoran e o atacante Carlos Eduardo são outros com pouco espaço. Será preciso também ter capacidade para recuperar a confiança do elenco e conseguir conquistar os resultados novamente. O próprio Felipão admitiu que “a parte anímica atuou um pouco mais sobre os jogadores” na derrota para o Flamengo. O treinador reconheceu ainda que não estava mais conseguindo atingir “a parte psicológica” do elenco. 

Elevar moral

O Palmeiras terminou o primeiro semestre na liderança do Brasileirão e vivo na Copa do Brasil e na Libertadores. Após 13 jogos, porém, a equipe foi eliminada nas duas competições de mata-mata e despencou para a quinta colocação do campeonato nacional de pontos corridos. Depois da parada para a disputa da Copa América, o Palmeiras não venceu mais nenhum jogo no Campeonato Brasileiro. O próximo treinador terá de recuperar o moral do elenco depois destes últimos resultados.

Acalmar a torcida

A queda de rendimento do Palmeiras neste segundo semestre exaltou os ânimos da torcida. A pressão aumentou, Felipão foi demitido, e a principal organizada do clube também pede a saída do diretor de futebol Alexandre Mattos. Após a eliminação para o Grêmio, os cantos no Pacaembu foram de "time sem vergonha" e "Brasileiro é obrigação". O antecessor de Felipão, Roger Machado, foi demitido em julho de 2018 após ter conquistado apenas 43% dos pontos disputados nos dez últimos compromissos oficiais. Outras sequências negativas também derrubaram nomes como Oswaldo de Oliveira, Marcelo Oliveira e Eduardo Baptista em temporadas anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.