Cinco motivos para assistir ao jogo entre Palmeiras e Corinthians

Cinco motivos para assistir ao jogo entre Palmeiras e Corinthians

Neste sábado, a maior rivalidade do futebol paulista entra em campo para um jogaço: os times precisam vencer por motivos diferentes

O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 11h29

Palmeiras e Corinthians prometem colocar à prova a boa fase no Brasileirão. As duas equipes mais rivais do futebol de São Paulo se enfrentam neste sábado, às 16h20, por motivos diferentes. O Corinthians, com 52 pontos, corre atrás dos três pontos para se manter entre os quatro primeiros da tabela, o que lhe dá uma das vagas para a Libertadores de 2015. O Palmeiras, com 35, continua seu calvário para salvar o ano e se distanciar da zona de rebaixamento.

Como o mando de jogo é do Palmeiras, o Pacaembu estará pintado de verde e branco, com apenas 10% da carga de ingressos destinada aos corintianos. A Polícia Militar de São Paulo não teme confusão nos arredores do Paulo Machado de Carvalho e pretende escoltar a torcida do Corinthians de sua sede ao estádio. Confira cinco razões que fazem desse confronto um dos destaques da 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

1. Rivalidade em jogo

Não importa a condição ou situação dos times na temporada. Um Palmeiras e Corinthians sempre será um Palmeiras e Corinthians. Há o respeito mútuo dos dois lados e a certeza de que ninguém admite perder esse jogo. Tanto não admite que o Palmeiras se acertou com o STJD para tirar Valdivia do jogo com o Cruzeiro somente para tê-lo diante do Corinthians. E o Corinthians tentou a mesma manobra de bastidores em relação à escalação de Guerrero, o que não conseguiu.

2. A condição na tabela

Os interesses pelos três pontos deste clássico são diferentes, mas da mesma forma nobres para os dois lados. O time de Mano Menezes joga para se firmar entre os primeiros colocados do Brasileirão, de olho na Libertadores do ano que vem, já que não acreditam muito nas derrapadas do líder Cruzeiro. O Palmeiras quer salvar o ano do seu centenário. Precisa dos pontos para se distanciar da Z-4, a zona da degola. Se perder, voltará a ficar ameaçado.

3. A certeza de equipes ofensivas

Os dois treinadores, Mano e Dorival, sabem que precisam jogar para frente. O torcedor não quer saber das necessidades dos times nem de suas dificuldades com o elenco. Cobram um Palmeiras e um Corinthians ofensivos com as peças que têm em campo. Os próprios jogadores não entram nesse clássico para se defender, e costumam correr mais do que o normal.

4. Bons jogadores em campo

O Palmeiras aposta nos seus melhores jogadores para essa partida, independentemente do esquema montado pelo treinador. Valdivia, descansado e recuperado, é a grande arma do Palmeiras, que também tem em Prass e Wesley outros pontos de referência. Do lado do Corinthians, Mano também vai usar o que tem de melhor. Jadson, voltando ao time, também é uma das referências. O forte do Corinthians, sem Guerrero, será seu meio de campo, com Elias.

5. Quem perder terá uma dura segunda-feira

Costumeiramente, a segunda-feira é triste para o perdedor deste dérbi. Para os corintianos, talvez um tropeço tenha menor peso dada a condição do time na tabela, com uma sequência de combinações. Para os palmeirenses, o peso do fracasso seria maior, uma vez que o time voltaria a descer na tabela e, também com uma sequência de resultados da rodada, ficar mais perto da zona de descenso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.