César Greco | Palmeiras | Divulgação
César Greco | Palmeiras | Divulgação

Cinco motivos para o jejum de Gabriel Jesus

Atacante completou oito jogos sem fazer gols pelo Palmeiras

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2016 | 13h23

O atacante Gabriel Jesus completou oito jogos sem marcar na vitória sobre o Internacional, por 1 a 0, neste domingo. Embora tenha tido boa movimentação e participação importante no Allianz Parque - ele teve uma boa chance no segundo tempo em grande defesa do goleiro Danilo Fernandes -, o artilheiro do Palmeiras no Brasileiro não marca desde 14 de setembro. Ele tem 11 gols, dois a menos que o goleador máximo do Campeonato Brasileiro, o atacante Fred, do Atlético Mineiro.

Nesta segunda-feira, o atacante se apresenta à seleção brasileira para os jogos das Eliminatórias contra Argentina, quinta-feira, e Peru, na próxima semana. Veja abaixo cinco motivos explicam o jejum do atacante:

1. Marcação cerrada

As grandes atuações ao longo do ano levaram os adversários a preparar esquemas especiais para marcar o palmeirense. No jogo contra o Inter, ele foi marcado de perto por dois zagueiros. Na derrota contra o Santos, na Vila Belmiro, também não teve sossego. Raramente, ele tem espaço para dominar e finalizar.

2. Erros de finalização

Gabriel Jesus teve poucas chances na partida diante do Inter. A grande chance surgiu aos 41 minutos do segundo tempo, quando a equipe já vencia por 1 a 0. Frente a frente com o goleiro Danilo Fernandes, ele chutou no canto, mas deu chances para a defesa. A bola ainda bateu na trave.

3. Qual é sua posição ideal? 

O atacante de 19 anos não tem posição fixa e pode atuar tanto centralizado, no meio da área, quanto pelos lados. Diante do Inter, ele começou centralizado, mas a contusão de Róger Guedes e a entrada de Alecsandro o obrigaram a cair pelos lados. As mudanças prejudicam o entrosamento.

4. Centro das atenções

Na seleção brasileira, o palmeirense divide a responsabilidade de fazer gols com estrelas internacionais, como Neymar e William, por exemplo. No Palmeiras, ele é a principal referência e isso pode afetar o lado psicológico do atacante.

5. Má fase técnica

Na vitória contra o Inter, Gabriel mostrou ansiedade em vários lances. Em outros, abusou dos lances individuais. Seu jogo também foi prejudicado pelo gramado pesado e pelo jogo físico, consequências da chuva intensa que caiu no Allianz Parque durante todo o jogo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.