Fabio Menotti/Ag Palmeiras
Fabio Menotti/Ag Palmeiras

Cinco motivos que explicam o carisma do ex-goleiro Marcos

Ex-jogador é internado, passa bem e volta a sentir o carinho do torcedor de futebol, que pelas redes sociais lhe desejam saúde

O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 14h55

O goleiro Marcos, eterno ídolo do Palmeiras, foi intermado terça-feira no hospital São Luiz porque está com um tipo de alergia. Em tratamento, Marcão fez uma série de exames e na manhã desta quarta agradeceu o carinho e manifestações que recebeu de apoio por sua recuperação. Veja cinco razões que podem explicar o carisma do ex-goleiro não somente com os torcedores palmeirenses.

1. Ídolo não tem bandeira

Marcos é ídolo no Palmeiras, mas também é ídolo no futebol brasileiro. Isso o fez um profissional respeitado por seguidores de equipes adversárias. O torcedor de bem, aquele que não vê no rival um inimigo, valoriza o talento de Marcos e sua história no Palmeiras.

2. Campeão do mundo

Nem todos os jogadores que ajudaram a dar títulos mundiais para o Brasil caíram na graça da torcida brasileira. Há torcedor que aplaude a seleção porque alguns jogadores de seu time estão no elenco nacional. Marcos foi o goleiro do Brasil na conquista do penta na Coreia do Sul e Japão, sob o comando de Felipão. Aquele time marcou, assim como seus jogadores, se não todos, pelo menos a maioria.


3. Carisma

Marcos é um sujeito carismático, e isso ele não aprendeu dentro de campo. Esse carisma nasceu com ele. Onde quer que vá, rouba a cena por ser um cara agradável. As pessoas logo se identificam com ele.

4. Simplicidade

O ex-goleiro do Palmeiras é daqueles caras que tomam café com pão e manteiga na padaria. Ou que vão à feira para comer pastel de queijo e carne. Marcos fala com todo mundo que o para na rua. Seu jeitão de homem do interior, da cidade de Oriente, nunca o deixou, mesmo depois de toda a glória e conquista no futebol. Isso cativa as pessoas. Marcos é um legítimo contador de 'causos', de histórias da bola e dos ex-companheiros.

5. Boa pessoa

Acima de tudo, Marcão é boa pessoa. Nunca desdenhou um colega em campo, nunca se colocou maior do que o outro, nunca se achou um craque ou um jogador insubstituível. Aliás, na Copa do Mundo de 2002, seu maior temor era atrapalhar a caminhada da seleção e o sonho brasileiro de ganhar o título. Não suportava a ideia de errar. E, mesmo depois das conquistas, sempre se viu como um jogador humilde, de carne e osso, capaz de falhar como qualquer outro.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasMarcosfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.