Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Cinco perguntas para Enderson Moreira, técnico do Santos

Time santista ganha do Linense por 4 a 2 no Pacaembu

Entrevista com

Enderson Moreira

O Estado de S. Paulo

02 Março 2015 | 07h00

O Gabriel pode ser titular do Santos?

Ele tem de buscar o espaço, buscar o espírito coletivo. Não é só a finalização. A questão é de oportunidade. Daqui a pouco, ele vai ter a possibilidade. Na seleção, ele perdeu a preparação para um ano competitivo. A disputa dele é com Robinho, Geuvânio e Ricardo Oliveira.

O jejum do Ricardo Oliveira incomoda?

O Ricardo Oliveira tem um trabalho fenomenal para a equipe. Ele abre espaço, defende atrás, no jogo aéreo. É uma ajuda absurda. Aqui no Brasil, nós valorizamos só o gol. Ele ajuda em vários aspectos.

O Santos fez 3 a 0, mas sofreu dois gols. Isso mostra a vulnerabilidade do time?

O fato de termos tomado dois gols não significa que está tudo errado. Antes da partida, nós éramos a melhor defesa. Na minha opinião, não foi pênalti. Foi um erro da arbitragem. Somos uma equipe muito ofensiva. Em alguns momentos, buscamos uma nova chance quando deveríamos controlar mais a bola.

Você está satisfeito com o time?

Sim, estou muito satisfeito com a evolução da equipe. O ideal é continuar criando as chances de gol, como estamos fazendo, e dar menos espaço para os adversários.

O Thiago pode ser envolvido em uma troca pelo Walter, do Fluminense?

Não gosto de falar uma coisa que não aconteceu. Essa foi uma situação criada pelo Fluminense e vamos aguardar. Precisamos de um jogador de área, na posição do Ricardo, mas não tem nada definido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.