Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Cinco segredos de Tite para iniciar trajetória na seleção com sucesso

Técnico enfatizará fundamentos táticos específicos nos treinos para o jogo contra o Equador

Almir Leite, enviado especial a Quito, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2016 | 11h58

O tempo para treinamentos da seleção brasileira para os jogos que disputa é sempre curto. Nas eliminatórias, por sua vez, normalmente só são permitidas três idas ao campo. No caso atual serão, ainda, apenas duas delas com o grupo completo de jogadores. Ainda assim, o técnico Tite já passou alguns conceitos que pretende implantar ao longo de seu trabalho, mas visando inicialmente ao seu jogo de estreia, contra o Equador, nesta quinta-feira em Quito. Ele se apega a cinco pontos que podem dar a partida para uma trajetória de sucesso:

POSSE DE BOLA

"Eu gosto muito da posse de bola." A frase, do próprio Tite, define perfeitamente o pensamento do treinador. Ele quer o time com a bola o maior tempo possível. De posse dela, trabalhar com paciência, mas sem deixar de lado a objetividade, para criar jogadas, fazer triangulações e “esperar" o melhor momento da definição da jogada, seja por meio de cruzamentos, assistências ou arremates diretos contra o gol adversário.

RETOMADA RÁPIDA

Quando o Brasil estiver sem a bola, a orientação é para que os jogadores tentem retomá-la o mais rapidamente possível. Para isso, pressionar a saída de bola do adversário e preencher os espaços, exercendo forte marcação, é recomendável.

POSICIONAMENTO

Tite enfatiza a necessidade de que os jogadores se posicionem em campo de maneira que não permitam aos adversários penetrações na defesa ou qualquer tipo de jogada que leve perigo contra o gol brasileiro. E na retomada, pede que meio-campistas e atacantes se posicionem de maneira a possibilitar o contra-golpe com bastante rapidez e ousadia.

SISTEMA DEFENSIVO FORTE

A seleção brasileira idealizada por Tite vai ter um forte esquema de defesa, que começa já pela pressão que os atacantes devem exercer na saída de bola adversária. Ter um maior número de jogadores em relação ao adversário que está com a bola ou em posição de recebê-la também faz parte do cardápio do treinador. Quanto aos seus zagueiros, Tite os quer sempre bem posicionados, de maneira que os avantes rivais não tenham espaço. Isso inclui a ajuda do setor de meio de campo.

TRIANGULAÇÕES

Tite quer os jogadores sempre próximos uns dos outros, para que possam fazer triangulações, dar opções de inflitração, e para que a bola esteja sempre nos pés dos brasileiros. Pede também um futebol solidário, em que o lado individual possa ser potencializado, mas sem deixar de lado o aspecto coletivo da equipe.

Tudo o que sabemos sobre:
TiteEquadorQuitoDEBOLABrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.