Citadini já espera seu substituto

Antônio Roque Citadini está mesmo fora do Parque São Jorge. O polêmico vice-presidente de futebol do Corinthians pediu demissão segunda-feira à noite, ao constatar que o projeto para a conquista da Taça Libertadores da América no próximo ano está comprometido, diante da intransigência de alguns setores do clube, contrários à desvinculação do futebol dos demais departamentos.Nesta quinta-feira à tarde, por telefone, Citadini avisou que não voltará atrás em sua decisão, e que apenas aguarda a nomeação de um novo vice para se afastar de vez. ?Vou voltar a torcer pelo Corinthians de onde eu mais gosto: da arquibancada. Tomei a decisão de deixar o cargo porque havia divergências, e acredito, sinceramente, que essa seja a melhor solução para o clube.?Com a saída de Citadini, aumentam as possibilidades de rompimento do contrato com a Hicks Muse. O fundo de pensões norte-americano só aceita manter a parceria com o clube se for rescindido o atual contrato e acertado um novo, estabelecendo o vínculo apenas com o futebol e com a construção do estádio. Citadini era o único a apoiar a idéia, enquanto os demais dirigentes, inclusive o presidente Alberto Dualib (gripado, sumiu do clube nos últimos dias), não concordam com a mudança. As informações são de que aproximadamente R$ 900 mil são desviados mensalmente do futebol para que sejam cobertas despesas de outras modalidades esportivas e da área social do clube.No ano e meio em que Citadini esteve no cargo, o Corinthians conquistou três títulos ? Campeonato Paulista do ano passado e Copa do Brasil e Rio-São Paulo de 2002 ?, além de ter sido vice da Copa do Brasil de 2001.Também enfrentou, e venceu, dois desafetos de peso: Marcelinho Carioca, que foi parar no futebol japonês, depois de ter fracassado no Santos, e tenta desesperadamente retornar ao Brasil, e Vanderlei Luxemburgo. Com o sucesso do time no primeiro semestre, ele estava negociando a permanência de Dida no Parque São Jorge e a contratação de dois atacantes - um deles seria Dodô - e um meia-esquerda para ser o reserva imediato de Ricardinho, a pedido de Carlos Alberto Parreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.