Clássico argentino preocupa polícia

Boca Juniors e River Plate encontram-se neste domingo, pela sexta rodada do Torneio Clausura, segunda parte da temporada de 2001-2002. Mas o clássico de maior tradição na Argentina é também motivo de apreensão. O choque dos rivais representa trabalho redobrado para a polícia, cada vez mais alarmada com o aumento da violência entre torcedores. Por ordem do governo, a vigilância será rigorosa na cidade, sobretudo nas imediações do Estádio La Bombonera. As brigas e as mortes (quatro) das últimas semanas colocaram o futebol argentino em situação crítica. As autoridades ameaçam até suspender o campeonato, se os ´barras bravas´ (as facções mais radicais das uniformizadas) continuarem a espalhar terror a cada fim de semana. O temor é grande e a venda de ingresso para o clássico decepciona os dirigentes do Boca Juniors. O River vai ao campo do rival como líder (13 pontos), mas com a obrigação de quebrar tabu de oito anos. Desde 1994, não vence fora de casa. A última vitória, por 3 a 0, foi no Torneio Abertura daquela temporada. Dali para a frente, acumulou fracassos. O Boca, com 9 pontos, joga sua esperança de briga pelo título. Porém, não contará com o talento de Riquelme, que se recupera de contusão no joelho direito. O clássico argentino será mostrado pela ESPN Brasil. A rodada terá ainda Unión x Rosario Central, Estudiantes x Argentinos Juniors, Nueva Chicago x Lanús, Banfield x Chacaritas e Belgrano x Racing (campeão do Abertura).

Agencia Estado,

09 Março 2002 | 17h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.