Leandro Boeira/ Avaí
Leandro Boeira/ Avaí

Clássico catarinense coloca retrospecto em jogo e pode rebaixar Chapecoense

Já rebaixado, time avaiano poderá levar o rival junto para a Série B

Redação, Estadao Conteudo

24 de novembro de 2019 | 15h37

O clássico entre Avaí e Chapecoense, marcado para este domingo, às 19h, no estádio da Ressacada, ganhou resquícios de emoção pela situação dos clubes na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Já rebaixado, o time avaiano poderá levar o rival junto para a Série B. Além disso, está em jogo o retrospecto, haja vista que estão empatados.

Os clubes já se enfrentaram em 154 oportunidades, com 55 vitórias para cada lado e 44 empates. Eles disputaram duas das últimas três finais estaduais, recheadas de polêmica. O Avaí foi campeão em 2019 e a Chapecoense em 2017.

No Brasileirão, o já rebaixado Avaí vem de 13 jogos sem vencer. O último triunfo foi na vitória, por 1 a 0, diante do Atlético Mineiro, na Ressacada. O clube ocupa a lanterna, com 18 pontos, conquistados com três vitórias e nove empates, além de 21 derrotas.

A Chapecoense, que poderá ser rebaixada em caso de derrota e também em função de uma combinação de resultados, vem de triunfo para cima do Ceará por 1 a 0. O time de Condá tem 25 pontos, na penúltima colocação. O primeiro time fora da zona de rebaixamento soma 36.

TIMES

O Avaí tem desfalques importantes para o clássico. O técnico Evando Camillato não poderá contar com o lateral Léo e o atacante Jonathan, ambos se recuperando de lesão. O treinador fez mistério em cima da possibilidade de contar com os atletas, mas as chances são pequenas.

No entanto, Evandro ganhou o retorno de João Paulo, suspenso no empate sem gols diante do Cruzeiro. Para o duelo, o treinador mexerá o mínimo possível da equipe que fez uma grande partida frente ao time celeste. O setor ofensivo ainda contará com Caio Paulista e Vinícius Araújo.

"A Chapecoense ainda briga pela permanência. Para nós, queremos terminar o ano com dignidade. Gostaria muito que nossa equipe conquistasse uma vitória. Nosso torcedor merece, para ficar esperançoso com um 2020 melhor", disse o treinador.

Pelo lado da Chapecoense, Marquinhos Santos não terá o volante Amaral, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Porém, ganhou o retorno de Maurício Ramos, que terminou os treinos entre os titulares, ao lado de Douglas. Sendo assim, Hiago ficará como opção no banco de reservas.

O treinador deve perder ainda dois nomes importantes. O lateral Renato e o atacante Henrique Almeida foram vetados pelo departamento médico. O primeiro sentiu dores na panturrilha, enquanto o segundo foi diagnosticado com tendinite. Eduardo e Arthur Gomes foram testados no setor.

"Em se tratando de clássico, é claro que é um jogo diferente e por isso devemos nos portar diferente. A vitória é apenas o que nos interessa, respeitando e sabendo da dificuldade que é jogar na Ressacada, com um time que já vem pensando em 2020, preparando o elenco para 2020, e dentro de um cenário onde, infelizmente, o futebol catarinense briga na parte debaixo da tabela. É um jogo que merecia o algo a mais pelo que já foi o futebol catarinense. São duas grandes equipes do futebol brasileiro e duas grandes equipes do cenário estadual. É um jogo com caráter de decisão e temos que encarar dessa forma", pontuou Marquinhos Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.