Afaudisio Dantas/O Povo
Afaudisio Dantas/O Povo

Clássico cearense tem 166 torcedores presos por brigas e confusão

Com bombas e rojões, torcidas depredaram um terminal de ônibus

O Estado de S. Paulo

07 Março 2015 | 22h16

 Era para ser apenas uma tarde de festa no Castelão, com o Fortaleza acabando com o jejum de 12 partidas sem vitórias diante do arquirrival Ceará. Mas as torcidas das duas equipes resolveram protagonizar cenas de vandalismo e transformaram os arredores do estádio em campo de guerra. Com bombas e rojões, torcedores entraram em conflito com a Polícia Militar e ainda depredaram um terminal de ônibus. No fim, 166 pessoas acabaram presas, entre elas, 42 adolescentes.

"Teve um ônibus todo destruído e muita apreensão de rojões, coquetéis molotov e bombas caseiras. Eles (torcedores) trouxeram com intuito de se digladiarem, promover desordem e quebra-quebra e se lesionarem uns aos outros", afirmou o Coronel Aginaldo Oliveira, comandante do Batalhão de Policiamento e Eventos da Polícia Militar de Fortaleza, ao Diário do Nordeste.

O comandante garantiu que a PM já está ciente de que o clima poderia ser quente antes de a bola rolar e se armou para evitar mais transtornos nas avenidas de acesso ao Castelão. mesmo assim, teve de agir com força para evitar maiores danos ao patrimônio e enfrentamentos das torcidas.

Houve ainda o disparo de tiros nos arredores do Terminar do Antônio Bezerra, mas a PM não soube informar se houve feridos. E uma confusão entre torcedores com paus e pedras no Terminal da Lagoa rapidamente contida pelos policiais.

Apesar da confusão, dentro do Castelão o dia foi de festa para os torcedores do Fortaleza. Na estreia do técnico Péricles Chamusca, a equipe venceu por 2 a 1, de virada, e acabou com tabu de 12 jogos diante do Ceará que durava  quase quatro anos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.