Clássico: duelo do líder x time da moda

Desde o início do Campeonato Paulista, o ataque do São Paulo, o melhor da competição, faz pelo menos dois gols por partida - foram 30 em nove rodadas. A defesa do Corinthians, por sua vez, há três jogos tem sido perfeita, sem tomar nenhum - não à toa, divide com o Santos o posto de menos vazada (7 gols). Uma destas marcas, inevitavelmente, deve cair neste domingo no confronto entre as duas equipes, às 16 horas, no Morumbi.Tite aposta em seus quatro defensores. Coelho se firmou na lateral-direita e cobra faltas como ninguém. "É uma arma que a gente tem em momentos decisivos", diz o técnico. Edson, do outro lado, não decepcionou no último jogo, de acordo com o treinador e esquenta posição para Gustavo Nery, recém-contratado. Os zagueiros, apesar das constantes mudanças entre os nomes titulares, não deixaram o rendimento cair. Atualmente, jogam Anderson e Sebastian Dominguez. "Já enfrentei o Tardelli e o Grafite algumas vezes e estou acostumado. Eles vivem um bom momento e a parada será difícil", admite o capitão Anderson. "Porém, estamos sem tomar gols há três jogos e espero não levarmos gol novamente."O técnico Leão, por sua vez, confia na força do elenco, no "futebol carrasco do São Paulo". Aquele de marcar sob pressão e sufocar os oponentes. Nesta filosofia, de atacar em bloco, variando jogadas, sua equipe já marcou 30 vezes. Mas, nada de euforia, de clima de já ganhou. O respeito é a arma do sucesso. "Nosso grupo sabe de suas limitações, o que ajuda para caramba", discursa. "Se o nota 6 se ilude e acha que é dez, não faz nem 10, nem 6, acaba sendo nota 4. Um título se faz através de combinação e mudamos muito do ano passado para cá. Agora temos o melhor ataque, volantes que saem mais para o jogo. É só definir uma defesa mais sólida."O técnico tem razão. Seu poderoso ataque só é eficaz graças aos polivalentes laterais Cicinho e Júnior, os reis de assistências do elenco. Aliados aos gols de Josué (fez três) e da vitalidade de Grafite e do oportunismo de Diego Tardelli.Mas, desde sexta-feira, a alegria de Grafite virou nova arma. O final feliz do seqüestro da mãe do atacante, Ilma, o deixou com fome de gols. "O Corinthians é um adversário legal e perigoso. Mas este jogo é ideal para eu ajudar o São Paulo", discursa Grafite, que já foi às redes em cinco oportunidades e volta ao time após cumprir suspensãoPelo lado corintiano, Tite aposta nas cobranças de falta do lateral-direito Coelho para resolver a partida em eventuais bolas paradas. "Tenho treinado bem e se tiver oportunidade, marco um em cima do Rogério Ceni (outro exímio cobrador)", sonha o jogador.O treinador do Corinthians acredita que o time está em fase ascendente. "Mas sei também que em um campeonato como este de pontos corridos, não há tempo para vacilos. Temos de dar o máximo", declarou. Sem Carlos Alberto, suspenso, Tite deve utilizar Rosinei ou Dinelson no meio-de-campo. O recém-contratado Roger deve entrar no segundo tempo.Contagem regressiva - Apesar de o campeonato ainda estar na metade, Leão já faz sua contagem regressiva. "Nesta metade de campeonato, conseguimos mais do que imaginávamos. Mas os outros 50% serão bem mais difíceis." Para superar os desafios, convoca a torcida para lotar o Morumbi. "É o duelo do líder contra o time da moda."

Agencia Estado,

26 de fevereiro de 2005 | 15h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.