Clássico entre Palmeiras e São Paulo já começa nos bastidores

Palmeiras quer decidir mando de jogo; já o São Paulo diz que decisão cabe à Federação Paulista de Futebol

Redação,

06 de abril de 2008 | 19h02

A reunião dos quatro representantes dos clubes classificados às semifinais do Paulistão, na Federação Paulista de Futebol (FPF), na manhã desta segunda-feira (11 horas), promete acirrar os ânimos de dirigentes palmeirenses e são-paulinos.Veja também: Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Classificação Calendário / Resultados São Paulo vence e encara o Palmeiras na semifinal Ceni nega clima de revanche e diz que Palmeiras é favorito Ponte empata em Santos e vai à semifinal do Paulistão Palmeiras bate o Barueri por 3 a 0, mas fica em segundo lugar Corinthians perde e fica fora das semifinais do Paulistão Assim que o confronto foi confirmado, ao término da última rodada da fase de classificação, o vice-presidente de futebol do Palmeiras, Gilberto Cipullo, deixou claro que o Palmeiras brigará pelo direito de mandar o segundo jogo - pois possui a vantagem por dois resultados iguais - no local onde desejar, apesar do mando ser da FPF. "Nós temos o direito de decidir onde jogar. O regulamento diz que a Federação [Paulista de Futebol] indica o local, mas o mando é nosso. Temos nossos interesses e eles devem ser respeitados."O mesmo tom foi utilizado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, após a vitória por 3 a 0 diante do Grêmio Barueri. "Teremos uma grande semifinal pela frente, e o Palmeiras tem o direito e decidir onde jogar. O São Paulo tem o jogo dele, em sua casa, e isto será respeitado, assim como espero que o nosso mando seja respeitado pela federação."O Palestra Itália, no entanto, não deve ser o local do segundo jogo. De acordo com diretores, a intenção é levá-lo para São José do Rio Preto, no Teixeirão. A diretoria palmeirense já teria um acordo com a prefeitura local para arrecadar fundos.Em contrapartida, dirigentes são-paulinos, assim como o treinador Muricy Ramalho e os jogadores, mantêm o discurso de quem manda é a FPF, e não o Palmeiras. "O presidente do São Paulo [Juvenal Juvêncio] está acompanhando isto há muito tempo e o regulamento será seguido. Ele estará amanhã [segunda-feira] na federação, e ele discutirá este assunto lá. O Palmeiras tem os seus direitos, mas queremos que o regulamento determine isso, sem pressão de lado algum", declarou o superintendente de futebol, Marco Aurélio Cunha.Seguindo a linha de pensamento, Muricy Ramalho deixa a decisão dos mandos de jogos para a FPF. "Tem que ser respeitado o regulamento. Nele diz que é a federação que manda o local dos jogos, e temos que respeitar, seja qual for a decisão. Acho que tal assunto deveria ter sido discutido antes de começar. Agora não adiantar discutir isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.