Alex Silva|Estadão
Alex Silva|Estadão

Clássico na Vila Belmiro renova rivalidade nascida em 2015

Pela terceira vez em um ano Santos e Palmeiras fazem decisão

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2016 | 07h00

A semifinal deste domingo na Vila Belmiro entre Santos e Palmeiras será a continuação de uma sequência de capítulos de rivalidade vivenciada pelos clubes ao longo da temporada passada. A disputa por vaga na final do Campeonato Paulista é um tira-teima de 2015, com a tensão renovada por farpas trocadas neste ano.

Duas decisões de título no último ano, ambas nos pênaltis, fizeram o clássico se acirrar. Se o Santos levou o último Estadual, deixou escapar no papel de favorito a conquista da Copa do Brasil. O Palmeiras comemorou pela primeira vez no novo estádio e a torcida vestiu tanto a faixa de capitão, como a máscara em que ironizava uma careta feita por Ricardo Oliveira ao comemorar um gol sobre o time no Campeonato Brasileiro.

O atacante e o goleiro palmeirense Fernando Prass se envolveram em polêmicas no último ano. Os dois capitães podem novamente decidir o clássico, já que uma nova decisão nos pênaltis pode ser realizada.

A última troca de declarações ácidas entre os clubes foi na sexta-feira. O técnico Cuca não se esquivou de criticar o meia Lucas Lima. O santista ironizou no Twitter a goleada do Palmeiras sofrida por 4 a 1 diante do Água Santa. "Tudo isso mesmo?", escreveu na ocasião.

"Ele está defendendo a nossa seleção brasileira, como você vai torcer para ele ir bem, mesmo sendo brasileiro? São coisas até para o próprio Lucas pensar no futuro. Temos de ter cuidado porque somos pessoas públicas", comentou o treinador. Como meia, Cuca atuou pelas duas equipes que se enfrentam neste domingo.

O treinador tem a chance de fazer o Santos perder na Vila Belmiro pelo Campeonato Paulista. O último resultado negativo do time foi em abril de 2011, quando justamente o Palmeiras conseguiu a façanha.

Do outro lado do clássico, o técnico Dorival Junior sabe o quanto depende exatamente de Lucas Lima para garantir o clube na oitava final seguida de Paulista. A má atuação de meia foi um dos motivos para o Santos perder a decisão da Copa do Brasil em dezembro. "Obviamente que com ele muito bem marcado as opções possam diminuir, mas não ao ponto de nos impedir de chegar ao gol do adversário", avisou.

A expectativa pela definição do segundo finalista deve compensar o último encontro entre as equipes. Na primeira fase do Paulista, o clássico no Allianz Parque foi morno e acabou empatado sem gols.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.