Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Clássico na Vila terá tribunal para torcedores brigões

O torcedor que criar problemas no Estádio da Vila Belmiro, durante o clássico Santos x Corinthians, às 21h45 na quarta-feira, vai ser preso, julgado e pode sair condenado. É que o Jecrim (Juizado Especial Criminal) vai funcionar pela primeira vez na Baixada Santista. A instalação foi um pedido do Tribunal de Justiça do Estado e terá a incumbência de julgar na hora os crimes de menor potencial ofensivo. O juizado terá um juiz, um promotor público, um delegado e um defensor público. "Os crimes mais leves serão julgados na hora pelo juiz designado, com condenação de até um ano de reclusão. E os crimes mais graves terão o encaminhamento normal", disse o juiz diretor do Forum de Santos, José Vítor Teixeira de Freitas. Com a possibilidade de punição imediata de desordeiros, as autoridades acreditam que vão diminuir a violência no estádio. A instalação do Jecrim foi anunciada nesta segunda à tarde, numa reunião na Vila Belmiro, entre dirigentes do Santos, o tenente-coronel Del Bel, comandante do 6.º BPMI, o juiz diretor do Fórum, José Vitor Teixeira Freitas, o juiz designado para trabalhar no jogo Tom Teixeira Brandão, o diretor da CET, Ivson Teixeira Rocha, além de representantes da FPF e das torcidas organizadas de Santos e Corinthians.Para que não se repitam os incidentes do jogo do dia 11 entre Santos e São Paulo - quando até vaso sanitário foi usado como arma -, a PM tomou as seguintes providências: · Limitou em 18.942 o número de ingressos colocados à venda, dos quais, 2 mil são destinados aos torcedores do Corinthians; · Proibiu a entrada no estádio de torcedores com bandeiras, faixas e instrumentos musicais, além de fogos e sinalizadores - vestir camisa do clube ou da uniformizada pode; · Exigiu que fique vazio o setor em que foram colocados os torcedores do São Paulo, no último clássico e pedir para que os torcedores visitantes saiam mais cedo do ponto de origem para que possam ser revistados quando os ônibus entrarem no estrada, ao chegarem à Baixada Santista, além da revista individual e mais minuciosa no momento de entrar no estádio. "O policiamento será exatamente igual ao do jogo com o São Paulo. O que muda é a logística e a diferença vai ser a distribuição das torcidas", disse Del Bell, que não aceitou aparte de dirigentes de uniformizadas enquanto expunha o esquema de segurança para o clássico. Apenas respondeu que os tumultos do dia 11 começaram quando torcedores do São Paulo rasgaram uma faixa dos santistas. Uma das exigências das autoridades aos dirigentes do Santos não foi atendida: a substituição de vasos sanitários por fossas semelhantes ao de presídios. "O Santos não conseguiu encontrar a tempo no mercado as peças de reposições", explicou Del Bel. A PM destacou 320 homens, com a participação da cavalaria, do canil e do apoio aéreo com helicópteros da corporação para fazerem a segurança interna e externa da Vila Belmiro, no clássico. Os portões do estádio serão abertos às 19 horas, mas, desde as 17 horas a Companhia de Engenharia de Trânsito vai bloquear as vias das imediações, permitindo apenas a circulação de viaturas em serviço. Ao redor do estádio será feito um cinturão de isolamento, com oito pontos de bloqueio, só sendo liberada a passagem para torcedores que estejam com ingressos. A PM também promete agir com rigor contra cambistas e guardadores de veículos. Os ingressos começaram a serem vendidos nesta segunda na Vila Belmiro e foi pequena a procura nos guichês destinados aos santistas, enquanto que para a torcida do Corinthians acabou no final da tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.