Clássico opõe crise são-paulina e boa fase corintiana

Pela primeira vez nos últimos três anos e meio, o São Paulo entrará em campo para disputar um clássico em meio a uma crise, admitida até pelos próprios dirigentes são-paulinos. Há tempos, a torcida acostumada a conquistas não pichava muros do clube, nem chamava o time de "sem-vergonha" e pedia mais empenho como fez após a derrota para o Cruzeiro na última quinta-feira, que provocou a eliminação na Libertadores. É nesse clima que enfrentará neste domingo o Corinthians, campeão paulista e finalista da Copa do Brasil, em jogo que começa às 18h30, no Pacaembu, pelo Brasileirão.

AE, Agencia Estado

21 de junho de 2009 | 08h48

Já sem Muricy Ramalho, a primeira vítima da fase ruim, e ainda sem o novo treinador (Ricardo Gomes), o São Paulo será comandado no clássico pelo auxiliar Milton Cruz. Assim, o técnico interino terá a dura tarefa de levantar o moral do grupo três dias depois do doloroso tropeço nas quartas de final da Libertadores. "Passamos por algo parecido nos últimos três anos e conseguimos nos reerguer", lembrou Richarlyson, lembrando do poder de recuperação são-paulino. "O resultado é importante para a nossa sequência do Brasileiro. Estamos a sete pontos do líder e uma distância maior seria ruim agora."

O clássico marcará o início de um momento de transição do São Paulo. E o resultado, mesmo que afaste ainda mais a equipe da ponta da tabela do Brasileirão, de pouco vai importar para o trabalho que vai começar com Ricardo Gomes, que deve assumir o cargo na segunda-feira. Apesar disso, uma vitória sobre o rival Corinthians irá certamente amenizar o clima ruim no Morumbi, encurtando os dias de tempestade. Milton Cruz, inclusive, não pensa em fazer mudanças no time que vinha sendo escalado por Muricy.

O problema do São Paulo é que o Corinthians vem embalado e espera aumentar ainda mais a crise são-paulina. Depois de ganhar por 2 a 0 do Internacional na última quarta-feira, no primeiro jogo da final da Copa do Brasil, os corintianos estão motivados para o clássico, pois também esperam melhorar a campanha no Brasileirão. Assim, o técnico Mano Menezes promete escalar o que tem de melhor neste domingo no Pacaembu, inclusive com a presença do atacante Ronaldo.

Como o segundo jogo da final da Copa do Brasil será apenas no dia 1º de julho, Mano Menezes não precisa poupar os titulares neste domingo. Assim, as únicas ausências devem ser o lateral-direito Alessandro e o atacante Dentinho, ambos machucados. "Encarar o São Paulo será bom porque vai exigir muita força do nosso time novamente", afirmou o treinador corintiano. "Ajudará a não deixar a equipe relaxada após um confronto de grande intensidade."

"Eles estão com sentimento de vingança por causa da eliminação nas semifinais do Paulista. Não podemos, contudo, permitir que deem a volta por cima contra a gente. Temos de ter tranquilidade", afirmou o volante Elias, um dos titulares corintianos. "Se a gente perde para o São Paulo, todos vão esquecer nosso jogo com o Internacional. Temos de entrar com a mesma pegada. O jogo será diferente, mas nosso espírito tem de ser o mesmo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.