Clássico paulista não motiva torcedores

O fraco desempenho no Campeonato Brasileiro de São Paulo (16º colocado) e Palmeiras (um pouco melhor, é o 13º na tabela) parece estar atravessado na garganta do torcedor que simplesmente decidiu não ver o clássico desta quinta-feira à noite das arquibancadas do Morumbi. Até a tarde desta quarta-feiram cerca de 2 mil pessoas haviam comprado ingresso, número baixo para um jogo como este, o primeiro de expressão disputado no estádio desde a final da Libertadores. "Está muito ruim (a procura por ingressos), porque este é um jogo sem apelo. O torcedor do São Paulo pagou caro para ver a final da Libertadores e não tem dinheiro para gastar com o time agora, nesta fase em que está perdendo tudo", analisou Bruno Balsimelli, diretor da Ingressofácil, gerenciadora da venda de bilhetes para jogos no estádio do São Paulo. "E o palmeirense, insatisfeito com seu time no Parque Antártica, também não deve comparecer." Diferente da decisão do torneio continental, quando recebeu mais de 72 mil pessoas que pagaram R$ 30,00 pelo ingresso mais barato, o Morumbi de amanhã à noite pode não ter nem 10 mil torcedores, prevê Balsimelli. E desta vez, o setor mais em conta (a geral) custa R$ 20,00 ou metade disso para estudantes e idosos. A venda segue amanhã, até às 17 horas, em todos os postos e nas bilheterias do Morumbi até o início do jogo. Na televisão, a partida será exibida apenas para assinantes do sistema pay-per-view, a partir das 20h30. Auxiliada pela instalação da unidade móvel da Jecrim, a Polícia Militar espera ter um trabalho mais preventivo e menos repressivo, diferente do que foi obrigada a executar na final da Libertadores. A ação será baseada na escolta e no isolamento das torcidas. O acesso palmeirense será pelo portão 21. São-paulinos utilizarão os demais portões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.