Fabio Wosniak/Atlético-PR
Fabio Wosniak/Atlético-PR

Clássico tem Paraná desesperado e mistão do Atlético-PR sonhando com G6

Time rubro-negro procura manter sequência de sete vitórias na Arena da Baixada

Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2018 | 07h06

Em situação bastante delicada no Campeonato Brasileiro, o Paraná encara o clássico deste domingo com o Atlético-PR como decisivo em sua busca para escapar do rebaixamento. Para o time atleticano, será a oportunidade para se aproximar da briga pelo G6. A partida válida pela 26ª rodada está marcada para começar às 16 horas e terá apenas torcedores atleticanos por conta de um acordo feito pelo rubro-negro com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), que prevê torcida única em todos os jogos na Arena da Baixada.

No meio da tabela de classificação, com 30 pontos, o Atlético-PR defende uma invencibilidade de oito jogos atuando como mandante, sendo sete vitórias seguidas. Por outro lado, o Paraná amarga a lanterna, com apenas 16 pontos, e não sabe o que é vencer há quase dois meses ou 11 jogos. Como visitante, são dez derrotas seguidas.

Além da situação atual, o Atlético-PR leva ampla vantagem sobre o rival no histórico dos confrontos, com 40 vitórias contra 27, além de 30 empates. O Paraná carrega um jejum de dez anos sem bater o rubro-negro na Arena da Baixada. A última vitória aconteceu pelo Campeonato Paranaense de 2008. Depois disso, foram sete jogos e sete vitórias dos donos da casa.

Por conta da viagem para a Venezuela, onde venceu o Caracas, por 2 a 0, na última quarta-feira, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana, o Atlético-PR voltou aos treinamentos leves somente na sexta. Preocupado com o desgaste de alguns jogadores, o técnico Tiago Nunes vai mandar a campo um time misto. "A gente já tinha planejado isso, mesmo porque o ritmo de jogo tem sido intenso. Mas confio em que entra, porque temos um grupo muito forte" assegurou Tiago Nunes.

O volante Lucho González, os meias Raphael Veiga, Marcinho e Nikão, além do atacante Pablo, devem ser poupados pela comissão técnica. Enquanto isso, o zagueiro Paulo André recebeu o terceiro cartão amarelo na vitória sobre o Fluminense, por 3 a 1, e cumpre suspensão automática, com a entrada de Thiago Heleno. O meia Bruno Nazário passou por uma cirurgia no joelho e só volta ano que vem.

Não bastasse a situação delicada dentro de campo, o Paraná também vive um momento conturbado fora das quatro linhas. No início da semana, a diretoria anunciou a saída de cinco profissionais: o executivo de futebol Rodrigo Pastana, o auxiliar-técnico Ademir Fesan, o auxiliar de preparador de goleiro Felipe Jorge, o preparador físico Gustavo Araújo e o fisioterapeuta Alexandre Leite. O presidente Leonardo Oliveira alegou motivos financeiros, mas a decisão não caiu bem entre os jogadores. Cheirou uma jogada de toalha em termos de competição.

O técnico Claudinei Oliveira não vai poder contar com os laterais Igor e Júnior. O volante Wesley Dias será improvisado na direita enquanto Mansur deve ganhar a concorrência de Baez na esquerda. O zagueiro Cleber Reis volta de suspensão, mas Rayan será mantido ao lado de René Santos.

Liberado pelo departamento médico, o atacante Silvinho volta a fazer dupla com Rafael Grampola, que foi poupado de atividades no início da semana, mas treinou normalmente nos últimos dias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.