Lucas Barioulet/AFP
Lucas Barioulet/AFP

Classificação para final da Copa do Mundo deixa povo francês em estado de êxtase

Franceses tomam as ruas de Paris após vitória sobre a Bélgica

Andrei Netto, correspondente / Paris, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 19h10

Os principais pontos turísticos de Paris, como a Avenida Champs-Elysées, foram invadidos na noite desta terça-feira, mas desta vez não por hordas de visitantes, e sim por franceses eufóricos com o desempenho da seleção. Com a vitória dos Bleus sobre a Bélgica por 1 a 0, em São Petersburgo, na Rússia, a França chegou à sua terceira final em 20 anos e enlouqueceu a multidão de torcedores, que promete repetir no domingo a festa de 1998. Nas ruas, a maior presença foi da geração de Kylian Mbappé - os menores de 20 anos que não assistiram o primeiro título no histórico 3 a 0 sobre o Brasil.

+ Deschamps dá méritos aos jogadores por vitória: 'Estamos na final graças a eles'

+ Decisivo e eleito melhor em campo, Umtiti exalta 'conjunto' em vitória da França

A festa nas ruas de Paris teve início no final da tarde, antes mesmos da vitória, quando regiões inteiras da cidade foram fechadas ao trânsito de veículos. Esse foi o caso da principal avenida da cidade, em torno do Arco do Triunfo, onde dezenas de milhares de torcedores de concentraram para assistir a semifinal frente à Bélgica.

Outro grande ponto de concentração foi o largo do Hôtel de Ville, sede do poder na capital, onde telões instalados permitiram que a multidão acompanhasse os 90 minutos do jogo, decidido pela cabeçada do zagueiro Umtiti no início do segundo tempo.

Na Avenida Saint-Michel, próximo à catedral de Notre-Dame, jovens subiram nos tetos de ônibus para festejar o resultado histórico, que repõe a equipe francesa em uma final após a derrota para a Itália em 2006. "A Copa do Mundo de 2018 foi feita para a gente!", comemorou Antoine Dupont, 18 anos, um dos jovens presentes na festa que não conheceram a geração vencedora de 1998.

 

Aos gritos de "On est en finale!", ou "Nós estamos na final!", os torcedores comemoraram também em bares na capital. Mesmo que o título não esteja assegurado, o otimismo é grande. "O mais duro do caminho já passou, porque no outro lado da tabela a fraqueza não tem tamanho!", entusiasmou-se Michel Lepetit, lembrando a derrota para Portugal na Eurocopa em 2016, na França, quando o país-sede era o favorito ao título naquela decisão. "Salvo novo acidente, a Copa será da França."

Comemorando a vaga na final, mas ainda com um pé atrás, Robert Dumonceaux ficou preocupado com a apresentação na semifinal. "Foi dureza contra a Bélgica. Vai ser necessário nos prepararmos melhor para a final", advertiu.

Longe da celebração nas ruas de Paris, o presidente da França, Emmanuel Macron, também comemorou o resultado. Presente em São Petersburgo, onde acompanhou a semifinal, o chefe de Estado entrou no clima de otimismo. "Estamos na final. Encontro marcado no domingo para conquistar a Copa."

Invicta no Mundial da Rússia, a França chega à sua terceira final agora capitaneada por Didier Deschamps, capitão da seleção de 1998. Das últimas seis Copas do Mundo, em três os Bleus estiveram presentes no jogo decisivo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.