Martin Divisek/EFE
Martin Divisek/EFE

Classificados, Inglaterra e Bélgica tentam confirmar boa impressão

Seleções decidem o primeiro lugar do Grupo G após vitórias contra Tunísia e Panamá

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2018 | 05h00

Perto do fim da primeira fase da Copa do Mundo, Inglaterra e Bélgica foram duas das seleções de maior destaque em solo russo. Sem maiores hesitações, as seleções venceram seus dois primeiros jogos, até com certa tranquilidade, marcaram muitos gols e deram esperanças aos seus torcedores. Nesta quinta-feira, às 15 horas (de Brasília), ambas terão seu maiores testes em campo ao se enfrentarem em Kaliningrado no encerramento do Grupo G.

+ Técnico da Bélgica faz mistério e mantém dúvida sobre escalação de Lukaku

+ Southgate confirma Dier entre os titulares e cobra vitória da Inglaterra

O rendimento nos dois primeiros jogos foi tão bom que as duas equipes chegam à terceira e última rodada da fase de grupos já classificados. Foram duas vitórias e oito gols para cada time. Ao lado da Rússia, Bélgica e Inglaterra detêm os melhores ataques da Copa até agora, com o adendo de que os anfitriões já fizeram três jogos.

Por isso, seria de esperar um grande duelo nesta quinta para a definição da primeira colocação da chave. Mas a expectativa pode frustrar os torcedores uma vez que os dois treinadores já prometeram poupar alguns titulares, principalmente aqueles pendurados com cartões amarelos. Pelo lado inglês, são Kyle Walker e Ruben Loftus-Cheek. E, do lado belga, são Kevin De Bruyne, Thomas Meunier e Jan Vertonghen.

Mas as mudanças devem ir além. Pela Bélgica, o técnico Roberto Martínez só garantiu o goleiro Courtois entre os titulares. Todo o time restante poderá ser preservado, incluindo o centroavante Romelu Lukaku. O artilheiro da Bélgica no torneio, com quatro gols, deixou o triunfo por 5 a 2 sobre a Tunísia sentindo dores no tornozelo.

 

"Pelo exame realizado, não há nenhuma lesão importante, mas ele ainda está desconfortável. No momento, ele ainda está em fase de recuperação e teve uma pancada dura contra a Tunísia. Não acho que demorará muito (para voltar)", afirmou o treinador.

Na Inglaterra, Gareth Southgate só confirmou a entrada de Eric Dier no meio-campo. Mas deve manter Pickford, Stones, Lingard e Harry Kane na equipe. O atacante tem outra motivação para entrar em campo. Ele é o atual artilheiro do Mundial, com cinco gols.

"Ele está feliz de estar no topo. Já superou alguns dos grandes nomes da história do futebol inglês. Isso deve deixá-lo bem orgulhoso, mas ele também está consciente de que o mais importante é o time e devemos tomar a melhor decisão para a equipe", disse Southgate, sem confirmar a escalação do artilheiro.

A decisão de mudar as equipes se deve à preservação dos titulares e também ao medo de sofrer com suspensões. Mas pode esconder ainda a intenção de ficar em segundo lugar no grupo. A seleção que terminar a fase na vice-liderança do grupo entrará, em teste, no lado mais tranquilo da chave que, entre as grandes seleções, tem apenas a Espanha - o outro tem Brasil, Argentina, Uruguai, França e o Portugal, de Cristiano Ronaldo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.