Claudecir "encostado" no Palmeiras

Enquanto a delegação do Palmeiras seguia para o Aeroporto de Cumbica com destino a Buenos Aires, onde enfrentará o Boca Juniors pela Libertadores, Claudecir abria a porta de sua casa. Entrou e, mais uma vez, provocou estranheza no filho Mateus, de 5 anos. "Ô, pai, você não joga mais no Palmeiras?", vem perguntando o garoto nas últimas semanas. Mateus fica atento, pela televisão, a todos as partidas do time do Parque Antártica Itália. Curiosamente, sempre que a equipe joga o pai está do seu lado e não no campo. "Ele estava acostumado a me ver jogando e ultimamente estou ficando em casa, porque não vou nem para a concentração", contou o jogador.Nos últimos jogos, Claudecir nem sequer foi relacionado para o banco. Quinta-feira, não terá o "gostinho" de conhecer o La Bombonera, onde o Palmeiras enfrentará o Boca Juniors pelas semifinais da Libertadores. Ficou no Brasil, embora Flávio, um dos reservas para o meio-de-campo, tenha sofrido contusão. Mesmo machucado, foi com a delegação.Uma pessoa pelo menos comemora, em parte, a ausência do volante nas partidas: a mulher, Scheila de Carvalho, que pode ficar mais tempo ao seu lado. No ano passado, quando atuava pelo São Caetano, Claudecir quase não parava em casa. "Ela torce pelo meu sucesso, para que jogue, mas gosta porque posso ficar com ela."Uma das grandes revelações da João Havelange, Claudecir apresentou-se, em janeiro, como novo reforço do Palmeiras, que comprou seu passe do São Caetano por US$ 1,7 milhão. Chegou a ser comparado com Vampeta. Mas atuou em poucas partidas, principalmente depois que Celso Roth assumiu o comando do time. Segundo o treinador, o volante tem condições de recuperar a posição de titular em breve. "Ele sofreu uma contusão no joelho e, por isso, saiu do time", justificou.O atleta não esconde, porém, o aborrecimento. Sabe que já recuperou a condição física e esperava viajar para Buenos Aires. Nesta terça, com tristeza, deu a notícia: "Não vou." Ele prefere não polemizar, diz respeitar a opinião de Roth e acredita que ainda ganhará uma chance. Admite, contudo, que não poderá esperar durante a vida toda. "Cheguei ao Palmeiras porque mereci, não por meio de empresários." Claudecir disse que existem dois clubes da Alemanha interessados em contratá-lo, segundo informação que recebeu de empresários. Até São Caetano e Guarani estariam dispostos a levá-lo para o Campeonato Brasileiro. A diretoria palmeirense, porém, prefere esperar para negociar seu passe. Os dirigentes confiam que ele pode voltar a jogar, e bem, como no ano passado.

Agencia Estado,

05 de junho de 2001 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.