Claudecir espera por definição no Palmeiras

Há três semanas a rotina de Claudecir tem sido a mesma: às 13h30, começa a treinar em separado em um dos gramados da Academia ao lado de Anselmo Sbragia, preparador físico do Palmeiras-B. Desde que retornou de um empréstimo ao Kashima Antlers do Japão, em janeiro, espera por uma definição do presidente Mustafá Contursi, que não parece disposto a reintegrá-lo apesar de ter contrato com o clube até 2006. "Parece que o Mustafá não quer mais que eu fique aqui. Teria ficado bravo por eu ter voltado do empréstimo um ano antes do previsto. Mas como o Palmeiras recebeu tudo o que tinha direito não vejo motivos para me prejudicar. Estou me sentindo desrespeitado porque recebi propostas do Grêmio e Atlético Mineiro e quero definir minha vida."No ano passado, dirigentes do Kashima Antlers entraram com uma ação na Fifa exigindo que o volante devolvesse o que recebeu. Alegaram que Claudecir se negou a fazer os exames médicos de praxe quando o negócio foi fechado, para esconder uma contusão crônica no joelho direito. O jogador confirmou que não fez os exames, mas justificou-se dizendo que os japoneses jamais reclamaram de nada enquanto estava no país. No início do ano, as partes entraram em acordo e Claudecir ficou livre para atuar por outro clube. "O Palmeiras não me pagou dois meses de salário (janeiro e fevereiro), mas não vou cobrar nada. Quero apenas uma definição."Por outro lado, o presidente Mustafá Contursi admitiu em uma festa da Mancha Verde na segunda-feira que ofereceu R$ 120 mil mensais a Rivaldo, proposta considerada baixa pelo jogador. Na sexta-feira, Mustafá irá se reunir com o técnico Jair Picerni para tratar de reforços. Conforme o JT antecipou, o volante Adãozinho e o lateral Marquinhos estão deixando o Parque Antártica. "O Adão deve sair. Está procurando clube. O mesmo vale para o Marquinhos", admitiu o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.