Divulgação
Divulgação

Claudinei defende diretoria do Santos após críticas de Robinho

Técnico interino criticou reação do atacante diante de negociações para voltar ao clube

SANCHES FILHO, Agência Estado

12 de julho de 2013 | 14h34

SANTOS - As críticas feitas por Robinho aos dirigentes do Santos após o fracasso na tentativa do clube de contratá-lo foram respondidas por Claudinei Oliveira. Nesta sexta-feira, o técnico interino defendeu a postura dos dirigentes nas negociações com o Milan e o jogador, além de criticar a reação do atacante.

"A diretoria fez tudo que poderia fazer. A direção não foi a Milão, pois a advogada dele foi a Milão. Ela foi lá, negociou e passou os valores ao Santos e o Santos fez o máximo. Não foi falta de interesse. O Santos não podia arcar com essa despesa", disse Claudinei.

Em nota publicada no seu site oficial, Robinho criticou o presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro e declarou que não voltará a defender o clube enquanto o Santos estiver sob a sua direção. Além disso, o atacante garantiu que abriu mão de dinheiro para fechar a sua transferência.

O Santos desistiu de contratar Robinho, mas o clube continua em busca de reforços, como ressaltou Claudinei. O treinador revelou que o time deve contratar dois jogadores experientes nos próximos dias para fortalecer o elenco, no momento recheado de promessas das categorias de base.

"Precisamos dos mais experientes também. Tanto que precisamos, pois estamos aguardando mais duas contratações para encorpar o elenco. Mas estamos dando espaço para os meninos da base, que estão entrando bem, como o Gustavo, Neilton e Leandrinho. Só não é certo deixar tudo nas costas deles. Por isso, atletas mais experientes podem ajudá-los a não deixar a pressão para eles", disse.

Sem saber até quando permanece no comando do Santos, Claudinei garantiu que tem todo o apoio dos dirigentes para desenvolver o seu trabalho no comando do time, quem tem oscilado na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro. Neste sábado, a equipe vai enfrentar a Portuguesa, na Vila Belmiro, pela oitava rodada do torneio nacional.

"Tenho total confiança da direção do clube. Eles contam comigo para permanecer na comissão técnica. Estou trabalhando no dia-a-dia, buscando meu espaço. Futebol é pressão o tempo todo, pois estamos em time grande. Na base, também havia pressão para jogar futebol bonito, revelar bons jogadores. Fui goleiro também e não podia errar", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.