Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Clayson supera cobrança até dos companheiros de equipe no Corinthians

Autor do gol da vitória sobre a Ferroviária, atacante conta que era motivo de brincadeiras a sua dificuldade em conseguir finalizar

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2018 | 15h47

O gol marcado contra a Ferroviária foi especial para Clayson. Além de ter ajudado o Corinthians a vencer de virada o time de Araraquara, por 2 a 1, ele ainda conseguiu dar uma resposta para seus companheiros de time, que brincavam com ele justamente pela dificuldade que tinha para finalizar jogadas como a que fez no Pacaembu.

+ Balbuena explica para os 'chatos' o motivo de não ter renovado com o Corinthians

"Eles ficavam me zoando porque eu tiro com facilidade do zagueiro, mas falta finalizar. Ontem (quarta-feira) tive a felicidade. Vinha treinando bastante e fui feliz em conseguir fazer o gol", comemorou o atacante, em entrevista coletiva dada nesta quinta-feira, no CT Joaquim Grava.

O elenco alvinegro voltou as atividades na manhã desta quinta-feira, já pensando no clássico com o São Paulo, sábado, às 17h, no Pacaembu. Clayson, que deve ser titular, acredita que a partida será equilibrada.

"Acho que não tem favoritismo, clássico é diferente, é um jogo à parte. Aquele que errar menos e estiver melhor preparado vai vencer a partida. Temos de respeitar o São Paulo, mas vamos colocar nosso jogo e buscar a vitória a todo momento", comentou o atacante.

A única dúvida que parece no time corintiano é sobre Júnior Dutra ou Kazim como atacante titular. Clayson preferiu não se envolver no assunto e saiu pela tangente, alegando que ambos possuem estilos de jogos diferentes.

"São jogadores com características diferentes, mas os dois têm qualidade. Tenho certeza de que quem o Carille optar vai nos ajudar", disse.

O Corinthians faz o último treino antes de enfrentar o São Paulo nesta sexta-feira pela manhã, no CT Joaquim Grava.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.