Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Cléber, do Corinthians, ironiza eliminação 'de um time aí' no Paulistão

Ao não falar o nome do São Paulo, zagueiro mostrou que ainda está engasgado com o rival

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2014 | 20h13

SÃO PAULO - Os jogadores do Corinthians ainda estão engasgados com a derrota para o São Paulo e com a eliminação na primeira fase por consequência de seus tropeços e da derrota do rival para o Ituano. A raiva é tão grande que o zagueiro Cléber deixou até de ver a eliminação do rival, de quem evita falar o nome, para o Penapolense.

"Não assisti, não assisto jogo assim pois tenho raiva, era pra gente estar lá. Fico nervoso, preferi ver um filme: 'À procura da Felicidade'", disse o defensor corintiano. Mas rapidamente fez questão de ver o resultado. "Foi justo pra quem foi melhor em campo. Pelo que fiquei sabendo, o Penapolense ganhou de um time lá. Passou por um time aí, num resultado normal. Todo mundo pode perder ou ganhar, um dia gigante cai também."

Cléber, além de não falar o nome do São Paulo, também foi irônico ao dizer que a eliminação não teve um gostinho especial. O companheiro Jadson, por exemplo, até usou as redes sociais para ironizar a queda do ex-clube. "Não tenho gosto de ninguém, se eles perderam foi mérito do Penapolense. Eles tentaram e não conseguiram, mas é bola pra frente. E para mim é assim, que nem água de rio, de cachoeira, quando passa não tem como voltar. Vivo do presente e é focar aqui no Corinthians. O que passou já era", disparou.

Rivalidade à parte, Cléber está na torcida para que seja comprado em definitivo pelo Corinthians. O clube precisa desembolsar R$ 1,5 milhão por 20% de seus direitos, adquiridos por ex-sócios da DIS junto à Ponte Preta. A prioridade corintiana termina em abril. "Espero que aconteça (a compra), quero permanecer no Corinthians, pra mim o melhor do Brasil hoje, um dos melhores do mundo. Quero muito ficar aqui, fazer uma história, lutei muito para vir para cá. E vai ser melhor se eles me comprarem''", afirmou.

O zagueiro ganhou vaga no time e vinha se entrosando com Gil. Agora, terá um mês até o Brasileirão para recuperar a boa fase da defesa. "Prejudica (ficar um mês sem jogos) pela falta de ritmo de jogo. Foi ruim pra mim, porque comecei a jogar no finzinho do Paulista e agora que comecei ter bom ritmo vem essa parada. É focar, esperar passar esse mês para iniciarmos o Brasileirão com tudo. Espero que façamos alguns amistosos para iniciar a competição num bom nível."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.