Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Clima de decisão no clássico da Vila

O jogo entre Santos e Palmeiras vai definir o rumo das últimas rodadas do Brasileirão

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2016 | 07h00

Desde o ano passado, Santos e Palmeiras vêm fazendo o clássico mais quente de São Paulo. As equipes protagonizaram duas finais, com título santista no Campeonato Paulista e o troco palmeirense na Copa do Brasil. Hoje, a partida não é uma final, não vale a taça, mas vai mexer com o topo da tabela e dar a “cara” das últimas rodadas do Campeonato Brasileiro.

Líder isolado com 67 pontos, o Palmeiras vai atrás da manutenção dos seis pontos de vantagem que tem sobre o vice-líder Flamengo (67 a 61). Por isso, o técnico Cuca admitiu que estará de olho na partida do time carioca contra o Atlético-MG em Minas Gerais, um pouco mais cedo. O time mineiro é o terceiro colocado com 59 pontos e pode assumir o segundo lugar em caso de vitória.

“É 16h30 (o jogo). Não sei se vai dar para ver o primeiro tempo. É até melhor, quando você vai ver, já foi. Sempre vai torcer para o que é melhor para você. Deixa a água correr naturalmente seu caminho”, disse Cuca.

Um empate não é um mau resultado, na visão do treinador. Principalmente diante do retrospecto do Palmeiras na Vila Belmiro. Nos últimos cinco anos, em dez jogos, o Palmeiras perdeu oito e só empatou duas vezes. O treinador minimizou essa sina e disse que todos os grandes times dificilmente perdem quando jogam em casa.

O atacante Gabriel Jesus, vice-artilheiro do torneio com 11 gols, dois a menos que Fred, do Atlético Mineiro, leva seu tabu para o jogo decisivo. Ele nunca fez gols em clássicos. Foram 18 jogos e nada. Hoje, o último clássico da temporada é sua chance derradeira – no final do ano, ele vai se transferir para o Manchester City. “Ele é nosso artilheiro. Tem grandes chances de conseguir mais um feito em sua carreira”, opinou o lateral Zé Roberto.

O Santos precisa vencer. Na quarta posição, nove pontos atrás do líder, o time de Lucas Lima está de olho na terceira colocação – Dorival Junior certamente também verá o primeiro tempo do jogo de Minas Gerais –, mas ainda sonha com o título. Reduzir a diferença para seis pontos é o objetivo.

Dorival também espera que a equipe recupere o bom futebol. Nas últimas partidas, ficou devendo. “Espero um grande clássico contra o Palmeiras. Só queremos fazer um grande jogo nesta partida fundamental para o Campeonato Brasileiro. Contra o Grêmio, fizemos uma boa partida, mas não fomos efetivos. Agora, temos de ser”, definiu o treinador.

Os ingressos estão esgotados. A torcida do Santos, que será única por determinação do Ministério Público, comprou as 11,5 mil entradas. Se todos os proprietários das 4,5 mil cadeiras cativas comparecerem, a Vila estará lotada com 16 mil torcedores. Esse é outro trunfo, na opinião dos atletas.

As escalações foram escondidas a sete chaves. Cuca manteve o suspense sobre o substituto do goleiro Jailson, suspenso. Pode escolher Vagner, mais experiente, ou apostar no bons treinamentos de Vinicius Silvestre, que ainda não estreou no profissional. Outra dúvida importante é no ataque: Lucas Barrios ou Allione.

No Santos, a principal ausência é Vitor Bueno, que não se recuperou de uma lesão muscular na coxa esquerda. Seu substituto deve ser Jean Mota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.