Clima de despedida no hotel da seleção

O saguão do Hotel Intercontinental de Frankfurt, concentração da Seleção Brasileira na final da Copa das Confederações, estava quase vazio nesta quinta-feira, de manhã e no início da tarde. Nenhum torcedor foi se despedir dos jogadores e comissão técnica. Apenas um insistente egípcio, o senhor Ali Sbaiy, de 49 anos, corria atrás dos atletas e do técnico Carlos Alberto Parreira. Queria arrancar uns trocos. Ele grudou em Robinho. Não levou nada. Robinho deu um autógrafo para Sbaiy e anunciou na TV Globo a sua despedida da torcida do Santos. Sbaiy recebeu o autógrafo de Robinho no tampo do alout, um instrumento musical típico do Egito. Com este alout, Sbaiy perturbou bem Parreira e Robinho. "Parrera, Parrera", ele repetia batendo os dedos nas cordas do alout ameaçando uma cantoria insuportável. O treinador entendeu o recado: "Ele quer dinheiro". E queria mesmo. Antes de pegar o táxi que o levaria ao Aeroporto de Frankfurt, o técnico deu cinco euros (R$ 15) ao egípcio. "É pouco, isso não paga um sanduíche e uma Coca-Cola", resmungou Sbay. Parreira abriu um sorriso e caiu fora no táxi. Ele embarcaria para a Suíça e depois seguiria para outros países europeus. "Vou passar uma semana aqui na Europa a trabalho e de férias. Retorno ao Brasil no dia 9 (sábado)", contou Parreira, sem revelar o trabalho a cumprir no continente. Robinho também foi perseguido por Sbaiy e seu alout. Esperto, o jogador apenas autografou o instrumento musical. Pegou um táxi e seguiu para uma loja da Nike, onde alguns de seus companheiros de seleção foram passar a tarde antes de embarcar para o Brasil. Na saída da loja, Robinho gravou um depoimento à TV Globo se despedindo da torcida do Santos. "Chegou a minha hora de deixar o Santos. Vou embora e deixo dois títulos e muitas coisas boas que fiz pelo clube. Também sou muito grato ao Santos por tudo o que fez por mim. Vou deixar boas lembranças". Na segunda-feira, Robinho deve seguir para Madri em companhia do empresário Juan Figer e se apresentar ao novo clube, o Real Madrid. O jogador repetiu que não joga mais no clube brasileiro e que terá uma reunião com o presidente do Santos, ainda neste fim de semana, para conseguir sua liberação e assinar com o Real Madrid.Robinho embarcou nesta quinta-feira, por volta das 22h (horário de Frankfurt) para São Paulo ao lado de Marcos, Cicinho, Léo, Kaká, Renato, Julio Baptista, Zé Roberto, Lúcio, Roque Júnior, Dida e Ricardo Oliveira. Juan, Gilberto e Juninho Pernambucano seguiram no vôo para o Rio. Emerson, Gomes, Gilberto Silva, Luisão, Adriano, Ronaldinho Gaúcho, Edu e outros saíram cedo do hotel e foram para outros países da Europa. Ronaldinho foi para Atenas faturar 300 mil euros (R$ 900 mil) para promover o Campeonato Grego, que começa no final de agosto. Patrocinadores bancaram a promoção. Edu se apresentou ao Valencia, clube que havia fechado a sua contratação no início do mês. Adriano passaria por Milão e depois seguiria para o Rio. A maioria dos jogadores da Seleção, seja os que seguiriam direto para o Brasil e os que passaram em suas casas na Europa, tem desembarque previsto para esta sexta de madrugada em São Paulo e Rio. A taça da Copa das Confederações seguiria para a sede da CBF, sob os cuidados do presidente Ricardo Teixeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.