Carlos Gregório Jr. / vasco.com.br
Carlos Gregório Jr. / vasco.com.br

'Clima de guerra' em Aparecida de Goiânia preocupa Ponte Preta na Copa do Brasil

Jogo será realizado novamente após anulação do confronto por interferência externa

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 22h21

A Aparecidense não será o único adversário da Ponte Preta na partida desta quarta-feira, às 19h15, no estádio Aníbal Toledo, ainda pela primeira fase da Copa do Brasil. Devido a toda confusão nos tribunais, a delegação alvinegra espera um clima bastante hostil em Aparecida de Goiânia (GO).

A anulação do jogo realizado no mês passado, que havia sido vencido pela Aparecidense, por 1 a 0, gerou muita revolta nos torcedores da Aparecidense, que se organizam para lotar o Aníbal Toledo. Por conta de tudo isso, a diretoria pontepretana vai reforçar a segurança da delegação.

"Nós da Ponte não temos culpa do que aconteceu. O erro não foi nosso. Foi do bandeirinha e depois do delegado (da partida). Vamos para um jogo que não pode ter violência e não podemos motivar uma situação dessa. O mundo está muito violento. Se a gente concluir que não existe segurança, não entramos em campo", afirmou o técnico Jorginho.

A Ponte Preta conseguiu impugnar o jogo realizado no dia 12 de fevereiro, vencido por 1 a 0 pelo Aparecidense, alegando interferência externa do delegado Adalberto Grecco. Ele teria passado a informação ao bandeirinha Samuel Oliveira Costa que o gol de empate marcado por Hugo Cabral, aos 44 minutos do segundo tempo, ocorreu com o jogador em posição de impedimento. A arbitragem, que havia validado o gol, voltou atrás e anulou.

Por estar mais bem colocada no ranking da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a Ponte Preta tem a vantagem do empate no jogo desta quarta-feira. Se passar, o adversário da segunda fase será o Bragantino-PA.

Nesta segunda-feira, a diretoria da Ponte oficializou o terceiro reforço para a disputa do Campeonato Brasileiro da Série B. Trata-se do meia Alex Maranhão, que tem 33 anos e defendeu o São Bento neste Paulistão. Antes dele, o clube havia fechado com o uruguaio Facundo Batista e com Renato Kayzer. Esse último, inclusive, deve atuar como titular em Aparecida de Goiânia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.