Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Clima fica pesado no Atlético-MG após derrota e todos admitem falta motivação

Jogadores e técnico reconhecem queda de rendimento no Campeonato Brasileiro depois de jogo com o Grêmio

Estadão Conteúdo

03 Novembro 2018 | 20h42

O clima ficou muito pesado nos lados do Atlético-MG após a derrota para o Grêmio por 1 a 0, neste sábado, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O goleiro Victor criticou a mudança de trabalho durante a competição, o veterano Ricardo Oliveira cobrou os companheiros nos vestiários, pedindo mais garra, e o técnico Levir Culpi, por fim, reconheceu que falta motivação para parte do elenco.

Ainda na saída do campo, sob vaias, Victor reconheceu que falta confiança aos jogadores e desabafou: "Não se faz um time campeão sem continuidade no trabalho". Uma crítica à mudança de comando técnico, com a saída de Thiago Larghi para a entrada de Levir Culpi, há três rodadas. Por coincidência, foram três derrotas. Além desta para o Grêmio, outras foram para o Ceará, por 2 a 1, e para o Fluminense, por 1 a 0.

O meia Elias também não escondeu a sua decepção com a situação. "É notória a queda de produção do time. Mas cabe a nós mesmos resolvermos as coisas dentro de campo".

Nos vestiários, o capitão Ricardo Oliveira gritou muito e pediu garra e disposição de todos. O objetivo é ficar, pelo menos, entre os seis primeiros colocados e garantir uma vaga na Copa Libertadores de 2019. No momento, o Atlético-MG soma 46 pontos, em sexto lugar.

Com o clima tenso, apenas Levir Culpi apareceu para a coletiva. Uma longa entrevista em tom melancólico que arrancou até um comentário engraçado de um comentarista mineiro: "O Levir parecia animador de velório".

O técnico acha que o problema do Atlético-MG não foi apenas neste jogo e que a queda de produção do time não pode ser explicada sem a análise de uma série de fatores. "O clube se desfez de alguns jogadores e outros machucaram, o que desequilibrou o grupo". Mas ele acha que há ainda muita coisa para resolver nesta temporada. "Cheguei aqui motivado, mas não quero pensar em 2019. Preciso pensar agora. Nosso time está sem confiança e sem força para jogar", apontou.

Por fim, o próprio técnico não se isentou de culpa pela queda brusca de produção. "Todo time cai de produção, mas nós caímos demais. Eu mesmo ainda estou conhecendo os jogadores e posso ter feito uma outra substituição errada. Enfim, todos estão no mesmo barco". Mas ele fez questão de reconhecer a vitória do adversário. "O Grêmio é treinado pelo Renato há dois anos e tem um estilo forte de jogar. Qualquer resultado aqui seria natural, mas o Grêmio é uma grande equipe e mereceu vencer", concluiu.

Após a folga neste domingo, os jogadores voltam ao trabalho na segunda-feira para iniciar a semana visando o próximo compromisso. Nada mais, nada menos do que o Palmeiras, atual líder do Brasileirão. O jogo será disputado novamente no estádio Independência, no dia 11, às 17 horas, pela 33.ª rodada.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.