Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Clínicas não aceitam tratar Maradona

Nenhuma clínica para tratamento contra as drogas está aceitando como paciente o turbulento ex-astro do futebol argentino, Diego Armando Maradona. A afirmação foi feita nesta sexta-feira à noite por Claudio Belocopit, o próprio proprietário da Clínica Suíço-Argentina, onde o ex-jogador está internado. Analisando as dificuldades para encontrar um lugar que trate Maradona, Belocopit admitiu que "aceitar um paciente como Diego não é uma tarefa fácil". Belocopit disse que os médicos da Suíço-Argentina tentaram encontrar diferentes alternativas para lugares de tratamento. ?Mas diversas clínicas se recusam a aceitá-lo. É que elas não vêem Diego com bons olhos. Esse é um elemento que complica a situação. Ele não é um paciente comum." O proprietário da clínica afirmou que daqui a 48 horas poderá haver uma definição do destino de Maradona. Segundo ele, "do ponto de vista clínico, sua vida não corre risco". Belocopit sustentou que a família do ex-jogador terá definir se colocará Maradona em um tratamento na Argentina ou se pretende levá-lo ao exterior. Uma das opções especuladas era a de internar o ex-astro em uma clínica na cidade de Buenos Aires. As alternativas de levá-lo para o exterior - a países como a Inglaterra, Canadá ou a ilha caribenha de Antigua - haviam perdido força, mas não estavam descartadas. À noite ficou clara a tragédia "maradoniana" de que ninguém estava aceitando o ex-jogador. Para complicar, a Suíço-Argentina não é uma clínica especializada no tratamento contra as drogas. Por isso, Maradona não poderá ficar muito tempo ali. Pouco antes das declarações de Belocopit, os médicos emitiram um comunicado oficial informando que era "estável" o estado de saúde do ex-astro. Além disso, também estava indefinido o pedido que um dos parentes teria que realizar na Justiça para que um deles fosse designado "tutor" de Maradona. Esta seria a saída jurídica para ter instrumentos legais para obrigar o ex-astro a realizar - à força - o tratamento. Diante das demoras em definir o cenário, o pedido na Justiça ficou adiado para a segunda-feira. Os analistas esportivos entraram em polvorosa. "Esperar até lá poderá ser tarde demais." Táxi - O temor é que Maradona novamente tenha um acesso de fúria. Na quinta-feira à noite, quando acordou depois de 24 horas anestesiado, "El Diez" tentou quebrar os móveis da UTI onde estava internado. Diversos rumores indicam que teria brigado com seu irmão Lalo, além de tentar agredir sua ex-esposa. Os gritos pronunciados na UTI do quarto andar da clínica eram ouvidos desde a calçada na frente do edifício. Informações extra-oficiais indicam que Maradona, no meio de um delírio, saiu da UTI e foi até o corredor, onde "via" táxis. Depois de acenar inutilmente para deter um dos "veículos" que enxergava, começou a reclamar: "Nenhum carro está se detendo, droga!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.