Talentos 10
Talentos 10

Clube-empresa, Talentos 10 tira crianças da rua e mira o profissional

Com a ajuda de parceiros, instituição ensina moral, ética, caráter e comportamento aos jovens jogadores

Vinícius Saponara, O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2018 | 05h00

Um projeto social que deu certo e que agora colhe os frutos com seu time profissional, que luta por voos mais altos no futebol. Esse é o Talentos 10, clube-empresa sediado em Bauru, no interior paulista, com mais de 20 anos de fundação, que em 2018 está dando seus primeiros passos no profissionalismo e busca o acesso na Segunda Divisão do Campeonato Paulista – equivalente à quarta divisão estadual.

+ Meninas da zona leste de São Paulo desafiam o mundo na NBA

+ Há 40 anos, Santos e Guarani revelaram craques e surpreenderam o Trio de Ferro

Surgido de um projeto social com uma proposta inovadora de gerar resultados, o Talentos 10 visa nortear as crianças carentes – já são mais de 500 – e dar perspectivas às mesmas. Com este objetivo, o clube buscou parceiros que viabilizassem a ideia, tornando-se um clube profissional no final de 2017 que ensina muito mais que futebol. Ensina moral, ética, caráter, comportamento e todos os fundamentos que resultam na longevidade do jogador.

“O projeto é um trabalho social para crianças de 7 anos até jovens de 18, formando futuros cidadãos. São atletas de Bauru e região que a gente desenvolve em todas as categorias e os transformamos em profissionais”, afirmou Giorge Leonardo Adriano dos Santos, vice-presidente do Talentos 10 e treinador do time profissional, que logo em seu primeiro campeonato já está na segunda fase do Estadual e sonha com o acesso à Série A3 de 2019.

O Talentos 10 tem como seu fundador o goleiro Giovanni, que recentemente deixou o Atlético Mineiro. Revelado pelo Marília, o atleta passou por outros clubes do interior paulista como Ponte Preta e Grêmio Prudente. “Eu comecei esse projeto e através dele realizei o meu sonho, que era jogar profissionalmente. E estamos realizando o sonho de muitas crianças.”

Tudo no Talentos 10 remete à seleção brasileira. O uniforme é idêntico com a camisa amarela, calção azul e meias brancas. O escudo é muito parecido com o da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). E até a mascote é a mesma: o Canarinho, por conta de uma narração da rádio que estava transmitindo o primeiro gol do clube e na transmissão o narrador utilizou o bordão “Voa, voa meu canarinho”.

Já o nome tem a ver com o Rei do Futebol. Em Bauru, o Talentos 10 começou no campo em que Pelé surgiu, quando jogava pelo São Paulinho de Curuçá ainda menino. Com o objetivo de desenvolver talentos e com o 10 que o craque carregava às costas nos gramados, surgiu a ideia do nome.

Estrutura e parcerias

Disposto a crescer em âmbito nacional, o Talentos 10 tem objetivos bem traçados até o final de 2019. Por trabalhar com jovens, espera conseguir junto à CBF o Certificado de Clube Formador (CCF). E está construindo um centro de treinamento avançado com 12 campos oficiais, um restaurante, um mini-hotel e uma completa estrutura para as categorias de base e para o profissional.

Com todos os dados e relatórios financeiros disponíveis em seu site oficial, a transparência faz parte do trabalho do clube, que busca ajuda para cumprir os seus objetivos. “A gente precisa muito de ajuda para cobrir os custos”, afirmou Giovanni.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.