Talentos 10
Talentos 10

Clube-empresa, Talentos 10 tira crianças da rua e mira o profissional

Com a ajuda de parceiros, instituição ensina moral, ética, caráter e comportamento aos jovens jogadores

Vinícius Saponara, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2018 | 05h00

Um projeto social que deu certo e que agora colhe os frutos com seu time profissional, que luta por voos mais altos no futebol. Esse é o Talentos 10, clube-empresa sediado em Bauru, no interior paulista, com mais de 20 anos de fundação, que em 2018 está dando seus primeiros passos no profissionalismo e busca o acesso na Segunda Divisão do Campeonato Paulista – equivalente à quarta divisão estadual.

+ Meninas da zona leste de São Paulo desafiam o mundo na NBA

+ Há 40 anos, Santos e Guarani revelaram craques e surpreenderam o Trio de Ferro

Surgido de um projeto social com uma proposta inovadora de gerar resultados, o Talentos 10 visa nortear as crianças carentes – já são mais de 500 – e dar perspectivas às mesmas. Com este objetivo, o clube buscou parceiros que viabilizassem a ideia, tornando-se um clube profissional no final de 2017 que ensina muito mais que futebol. Ensina moral, ética, caráter, comportamento e todos os fundamentos que resultam na longevidade do jogador.

“O projeto é um trabalho social para crianças de 7 anos até jovens de 18, formando futuros cidadãos. São atletas de Bauru e região que a gente desenvolve em todas as categorias e os transformamos em profissionais”, afirmou Giorge Leonardo Adriano dos Santos, vice-presidente do Talentos 10 e treinador do time profissional, que logo em seu primeiro campeonato já está na segunda fase do Estadual e sonha com o acesso à Série A3 de 2019.

O Talentos 10 tem como seu fundador o goleiro Giovanni, que recentemente deixou o Atlético Mineiro. Revelado pelo Marília, o atleta passou por outros clubes do interior paulista como Ponte Preta e Grêmio Prudente. “Eu comecei esse projeto e através dele realizei o meu sonho, que era jogar profissionalmente. E estamos realizando o sonho de muitas crianças.”

Tudo no Talentos 10 remete à seleção brasileira. O uniforme é idêntico com a camisa amarela, calção azul e meias brancas. O escudo é muito parecido com o da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). E até a mascote é a mesma: o Canarinho, por conta de uma narração da rádio que estava transmitindo o primeiro gol do clube e na transmissão o narrador utilizou o bordão “Voa, voa meu canarinho”.

Já o nome tem a ver com o Rei do Futebol. Em Bauru, o Talentos 10 começou no campo em que Pelé surgiu, quando jogava pelo São Paulinho de Curuçá ainda menino. Com o objetivo de desenvolver talentos e com o 10 que o craque carregava às costas nos gramados, surgiu a ideia do nome.

Estrutura e parcerias

Disposto a crescer em âmbito nacional, o Talentos 10 tem objetivos bem traçados até o final de 2019. Por trabalhar com jovens, espera conseguir junto à CBF o Certificado de Clube Formador (CCF). E está construindo um centro de treinamento avançado com 12 campos oficiais, um restaurante, um mini-hotel e uma completa estrutura para as categorias de base e para o profissional.

Com todos os dados e relatórios financeiros disponíveis em seu site oficial, a transparência faz parte do trabalho do clube, que busca ajuda para cumprir os seus objetivos. “A gente precisa muito de ajuda para cobrir os custos”, afirmou Giovanni.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolclube empresaTalentos 10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.