Clube sueco encerra contrato de jogador condenado por estupro

Clube afirma que ações de Kingsley Sarfo são incompatíveis com os valores do clube

Estadão Conteúdo

12 Junho 2018 | 08h18

O Malmo, um dos principais clubes da Suécia, encerrou o contrato do meio-campista Kingsley Sarfo em razão da condenação do jogador à prisão por ter relações sexuais com uma garota de 14 anos. Em razão da idade da menina, Sarfo foi condenado duplamente por estupro e será detido por 32 meses.

+ Ex-diretor do Dínamo Zagreb é condenado a seis anos e meio de prisão

Ao anunciar o encerramento unilateral do contrato do atleta, o time sueco afirmou que as ações do jogador de 23 anos "são incompatíveis com os valores do clube e com o comportamento requisitado pelos sócios e representantes do time".

O time sueco ainda afirmou que vai tomar ações contra o próprio jogador e contra seu time anterior, o Sirius, também da Suécia, por "tentar tirar vantagem dos interesses financeiros do time".

Sarfo foi condenado na sexta-feira pela Corte do Distrito de Malmo por ter duas relações sexuais com a garota, em um apartamento e também num banheiro público. Além da detenção pelo período de dois anos e oito meses, o atleta foi condenado a pagar 150 mil coroas suecas, equivalente a R$ 66 mil, como compensação à vítima.

O réu condenado ainda será deportado após cumprir o período de prisão em solo sueco. E não poderá voltar ao país europeu por dez anos. Sarfo defendia a camisa do time sueco desde 2016. Ele não revelou se vai recorrer da decisão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.