Clubes atentos às medidas da FPF

Os clubes do interior paulista estão atentos aos desdobramentos do caso que envolve os árbitros Paulo José Danelon e Edílson Pereira de Carvalho na manipulação de resultados do último campeonato estadual. O Guarani reclama que foi um dos clubes mais prejudicados pelos dois árbitros. "Para variar, o Guarani só aparece nas gravações sendo prejudicado. No Campeonato Paulista deste ano fomos várias vezes prejudicados. Se tivéssemos uma posição a mais na classificação, faríamos uma partida a mais em casa no ano que vem. Além disso, se tivéssemos somado mais 3 ou 4 pontos, nossa cota, que a Federação Paulista repassa, seria maior", afirmou o vice-presidente EdisonTorres.O presidente José Luís Lourencetti contou que o Guarani está avaliando as partidas em questão para ver que medidas serão tomadas. "Depois de analisar os jogos, nosso departamento jurídico vai tomar as medidas cabíveis. Queremos tudo que nos foi tirado", avisou. O departamento jurídico do Atlético Sorocaba, um dos rebaixados no último Paulistão, também está analisando as fitas dos jogos apitados pelos dois árbitros e promete tomar as medidas cabíveis no caso. O presidente em exercício da Portuguesa Santista, Paulo Roberto Pires, disse que o clube vai lutar pelo seus direitos. Paulo José Danelon admitiu que o time de Santos foi prejudicada, por sua própria atuação, na derrota por 1 a 0 para o União São João, no dia 3 de abril. "Lamentamos profundamente. Já marquei uma reunião sexta-feira à tarde com o departamento jurídico. O clube e o torcedor da Portuguesa Santista foram lesados por tudo aquilo que já está sendo divulgado. Vamos lutar por nossos direitos", prometeu Paulo Roberto Pires.O gerente de futebol do União Barbarense, Flávio Silva, entende que o clube precisa esgotar todas as possibilidades para tentar se manterna primeira divisão do Campeonato Paulista, depois de ter sido rebaixado este ano. "Há uma declaração de que um jogo teve o resultado manipulado e nos prejudicou. Isso é muito sério", afirmou o dirigente.O presidente do União São João, José Mário Pavan, foi o único que já agiu: entrou com uma medida cautelar na Federação Paulista pedindoprovidências se forem comprovados os casos de fraudes. No fundo, ele sonha com uma virada de mesa, pois o clube de Araras foi rebaixado para a Série A2.Só a rebaixada Inter de Limeira, em grave crise financeira, ainda não tomou nenhum posição sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.