Silva Izquierdo/ AP
Silva Izquierdo/ AP

Clubes brasileiros alcançam R$ 1 bilhão de faturamento com estádios

Estudo considera receita com bilheterias e programas de sócios-torcedores no ano passado

Ciro Campos e Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2019 | 15h00

Os clubes brasileiros arrecadaram R$ 1 bilhão com bilheterias e os programas de sócio-torcedores em seus estádios em 2018. Isso significa um crescimento de 6% em relação ao ano anterior. Para este ano, a projeção é ainda maior. O Flamengo, por exemplo, deve encerrar 2019 com um faturamento superior a R$ 140 milhões no Maracanã.

Os números fazem parte de um estudo exclusivo sobre o faturamento das arenas produzido pela consultoria Sports Value, especializada em marketing esportivo. Para a elaboração do ranking, foram consideradas as receitas com sócio-torcedor (público que adquire preferencialmente os ingressos para os jogos), bilheteria e outras explorações das arenas, como bares, restaurantes, camarotes e publicidade. O estudo considera os 100 maiores clubes do País. 

Os dados totalizados se referem ao ano de 2018, pois a maioria dos clubes não divulga balanços trimestrais. Os líderes do ranking no ano passado foram Palmeiras (R$ 164 milhões), Flamengo (R$ 91 milhões) e Grêmio (R$ 83 milhões). A projeção para 2019 é de alta, mas sem avanços significativos. “Para este ano, o Flamengo apresentou grande crescimento, mas outros clubes tiveram queda, como Palmeiras e Grêmio, por exemplo. Por isso, acredito em uma pequena subida neste ano”, avalia Amir Somoggi, especialista em marketing e gestão esportiva e responsável pelo estudo.  

Somoggi explica que o comportamento do torcedor brasileiro ainda está vinculado ao desempenho dentro de campo. Por isso, o Palmeiras deve apresentar números menores neste ano - apesar de alto investimento no elenco, o clube não conquistou títulos.  O Grêmio deve cair de R$ 81 milhões para R$ 77 milhões.

Nesse contexto, o Flamengo pode se aproximar do time alviverde ou até alcançar a liderança do ranking. O balanço financeiro do clube carioca nos nove primeiros meses de 2019 aponta que as receitas com sócio-torcedor atingiram R$ 40 milhões enquanto a bilheteria passou de R$ 65 milhões

Dados da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apontam que o campeão brasileiro e da Libertadores levou 1,89 milhão de pagantes em seus 36 jogos como mandante na temporada e dominou os levantamentos de público e renda. O time de Jorge Jesus teve a maior média de pagantes na temporada: 52.537 torcedores por jogo. O número é tão expressivo que o Corinthians, que terminou na segunda colocação, ficou bem atrás do líder, com 33.143 pagantes por partida. Mesmo com a diferença, o time alvinegro deve faturar R$ 62 milhões, um milhão a mais do que ano passado.

Os pesquisadores apontam que ainda existe espaço para desenvolvimento de receitas no Brasil, seja com os programas de sócios ou com bilheteria e novas explorações comerciais. Hoje, os estádios brasileiros têm índice de ocupação abaixo de 50%. Com isso, o faturamento ainda está distante dos números do mercado mundial. Hoje, a Série A do Brasileirão ocupa o 10º lugar no cenário mundial de faturamento. Só os estádios do Campeonato Inglês, por exemplo, geram R$ 3 bilhões por ano. As grandes ligas esportivas dos Estados Unidos – MLB (baseball), NFL (futebol americano), NHL (hóquei) e NBA (basquete) – lideram o ranking global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.