Clubes divergem quanto às anulações

Quem havia sido derrotado ou não tem partida a ser repetida, gostou da decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de anular os 11 jogos apitados por Edilson Pereira de Carvalho. Dos males o menor, repetiram os cartolas. Quem perdeu pontos, no entanto, protestou. Se o líder Corinthians poderia ter sido beneficiado por ver duas de suas derrotas revogadas ? diante de Santos, 4 a 2, e São Paulo, 3 a 2 ?, Paulo Angioni, diretor da MSI, não vê por esse ângulo: "Podemos sim recuperar seis pontos, mas não é isso que deve ser levado em conta. O STJD tomou a melhor atitude possível".O Palmeiras não teve nenhum jogo anulado, não tem nada a ver com isso diretamente, mas poderia utilizar a oportunidade para alfinetar o arqui-rival Corinthians. Porém não foi isso o que fez o diretor de Futebol Salvador Hugo Palaia: "Não ganhou este ou aquele clube, mas sim a competição. O melhor foi a repetição dos 11 jogos", opinou. O técnico Leão, no entanto, mostrou-se indignado após o empate (0 a 0) com o Vasco, neste domingo. Acredita que o Corinthians levou a melhor. O presidente do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa, elogiou a velocidade do STJD. "Era uma situação lamentável, que exigia decisão rápida. Ao menos o campeonato não será paralisado o que seria mais grave." O time do Morumbi fará novamente dois confrontos: havia ganho do Corinthians e perdido por 1 a 0 para a Ponte Preta, que, por sua vez, reclamou: "O Edilson Pereira disse que ajudaria o São Paulo, mas a gente venceu. Estamos no prejuízo", protestou o vice-presidente ponte-pretano Marco Antonio Eberlin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.