Cesar Greco/Agência Palmeiras
Cesar Greco/Agência Palmeiras

Clubes e CBF divergem sobre limite de partidas para os jogadores

Dirigentes não se entendem sobre critério da contagem de jogos

Daniel Batista, Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2015 | 07h05

Após sete rodadas de Campeonato Brasileiro, CBF e clubes ainda não parecem ter entendido totalmente o regulamento da competição. O número do limite de jogos que cada atleta pode fazer até se transferir para outros clubes causa divergência entre membros da entidade máxima do futebol do País e dirigentes de clubes.

É certo e consenso que sete jogos inviabilizam que o atleta mude de clube. A dúvida é como contar esses jogos. Existe a linha dos que entendem que o atleta ficou como opção no banco de reservas, ou seja, assinou a súmula, isso já vale na listagem. Para outros, o atleta precisa jogar ou ser advertido com um cartão estando como suplente para ser considerado participante da partida. 

Toda a confusão é criada por causa do artigo 9 do regulamento da competição, que é dúbio: "Um atleta poderá ser transferido de um clube para o outro durante o Campeonato, desde que tenha atuado em um número máximo de seis partidas pelo clube de origem, sendo permitido que cada atleta mude de clube apenas uma vez". O Estado conversou com representantes da CBF e de alguns clubes e ficou claro os pensamentos distintos. 

A assessoria de imprensa da CBF diz que só é contado o jogo quando o atleta entra em campo ou é advertido com um cartão, mesmo se estiver na reserva. Palmeiras e Internacional fazem a mesma leitura da regra. "Pode estar na súmula. Valem seis congressos (entradas) em campo efetivamente", diz o advogado Rogerio Pastl, do Inter. "Só conta se entrar em campo", completou.

Entretanto, as diretorias de Corinthians e São Paulo e membros da CBF que dão aula de arbitragem e participaram da confecção do regulamento pensam que bastou ficar no banco e já conta como jogo disputado. 

O goleiro Aranha, do Palmeiras, por exemplo, é um dos atletas que negociam com outro clube mesmo tendo ficado sete vezes no banco de reservas. 


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.