Paul Hana/Reuters - 2/3/13
Paul Hana/Reuters - 2/3/13

Clubes espanhóis devem 670 milhões de euros ao fisco

A informação foi divulgada nesta quinta-feira pelo Conselho Superior de Esportes da Espanha

AE-AP, Agência Estado

18 de abril de 2013 | 13h52

Os clubes de futebol da Espanha devem 670 milhões de euros (aproximadamente R$ 1,77 bilhão) ao fisco, informou nesta quinta-feira o Conselho Superior de Esportes. O presidente do conselho, Miguel Cardenal, indicou que a dívida se reduziu em relação aos 750 milhões de euros (R$ 1,98 bilhão) em 2012.

Cardenal disse em uma entrevista para a rádio Cope que "há dados para ser muito otimista" e insistiu que a liga espanhola de futebol tem que encontrar uma forma de distribuir as receitas de televisão para garantir a sobrevivência de muitas equipes em dificuldades econômicas.

A Uefa proibiu o Málaga de participar de competições europeias por uma temporada por atrasos nos pagamentos de salários de jogadores e seus impostos, como parte de suas medidas de supervisão financeira.

Cardenal defendeu a adoção de uma nova lei que obrigaria os clubes a vender os direitos televisivos coletivamente, em vez de individualmente. "Há equipes que estão em uma situação muito difícil e estamos fazendo todo o possível para que passem desta fase da melhor maneira", disse.

Real Madrid e Barcelona embolsaram cerca de 140 milhões de euros (R$ 370 milhões) cada em 2011 pelos direitos de televisão, enquanto que o próximo da lista, o Atlético de Madrid, recebeu menos de 50 milhões (R$ 130 milhões).

"A ideia é que a nova lei incorpore a venda conjunta e que se venda como só um pacote, que inclui todas as equipes. Os clubes têm que decidir a divisão, é uma das chaves dessa comercialização. O natural é pensar que as margens entre os que mais e menos recebem diminua", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Futebolfutinter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.