JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Clubes estudam medidas após erros seguidos de arbitragem

Sport, Atlético-MG e Flamengo já falam até em ir à Justiça

O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2015 | 14h53

A arbitragem tem dado o que falar no Campeonato Brasileiro de 2015, pelo menos nas últimas rodadas do primeiro turno. A polêmica da falta de critério com relação à mão na bola, por exemplo, voltou a se acender e outros lances decisivos tiveram 'tropeços das equipes'. Com isso, surgem as teorias da conspiração e os clubes que se sentem prejudicados prometem ir atrás de seus direitos.

Apenas na 19ª rodada, duas equipes já falam em representações contra os árbitros. O Flamengo, que perdeu para o Palmeiras por 4 a 2 em São Paulo, se queixa de dois pênaltis não marcados, sobre Guerrero e Pará. Na manhã desta segunda, a diretoria do Rubro-Negro emitiu uma nota oficial que diz: "A diretoria do Clube de Regatas do Flamengo entende que a arbitragem é passível de erros, que não existe aferição indefectível e que até haja quem considere esta imperfeição uma das 'belezas' do futebol. O próprio C.R. Flamengo já foi favorecido em um lance contra o S.C. Internacional. Não vemos demérito em reconhecer. Sabemos que errar é humano. Mas insistir no erro não."

O Flamengo, aliás, promete uma representação contra Igor Benevenuto, árbitro da partida, se disse 'perseguido' pelos erros recorrentes e até lembrou o Campeonato Carioca, em que, após imbróglio com a Ferj, suspeitou de desfavorecimento. Outra equipe que prometeu uma 'reclamação formal' à CBF é o Atlético-MG, derrotado pela Chapecoense por 2 a 1 neste domingo. Apodi, do clube catarinense, tocou com a mão na bola antes de marcar o segundo gol da equipe.

"Hoje, terminamos o primeiro turno com a arbitragem brasileira com descrédito total. O presidente da CBF tem que fazer com que o campeonato tenha credibilidade. As últimas quatro, cinco rodadas tiveram erros impressionantes, árbitros sem a menor condição técnica de apitar", criticou Eduardo Maluf, diretor de futebol da equipe. Foi ele quem concedeu a entrevista coletiva após o jogo depois de Levir Culpi alegar estar de 'cabeça quente' após a partida.

João Humberto Martorelli, presidente do Sport, foi ainda além: prometeu que irá à Justiça contra a CBF e o árbitro do jogo contra o Corinthians, pela 18ª rodada, quando o time de Recife foi derrotado por 4 a 3 com um pênalti polêmico marcado para a equipe paulista no fim do jogo. Na ocasião, a bola tocou no braço de Rithely enquanto o volante dava um carrinho para tentar bloquear o cruzamento de Guilherme Arana.

"O Sport não vai se omitir diante do escândalo que vimos na Arena Corinthians. Vamos à Justiça buscar os nossos direitos. Estamos contratando um advogado para cuidar especificamente deste caso", afirmou Martorelli. Ainda na 19ª rodada, houve um pênalti muito polêmico marcado a favor do Santos contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Para a 'sorte' do árbitro, Weverton defendeu a cobrança de Ricardo Oliveira. Na 17ª rodada, ao final do clássico entre Corinthians e São Paulo, o lateral Uendel desviou a bola com a mão dentro da área, mas nada foi marcado, evidenciando a falta de critério dos árbitros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.