Clubes europeus evitam briga com CBF

Os clubes europeus não compraram briga com a CBF e deram férias aos jogadores cedidos à Seleção Brasileira. A maioria dos atletas terá pelo menos três semanas de folga tão logo o Brasil saia da Copa das Confederações. Eles estão desobrigados de cumprir a primeira parte da pré-temporada, entre julho e início de agosto, na Europa. A ordem é relaxar os músculos, encher os pulmões. Dos 23 convocados, apenas Marcos, Cicinho, Léo e Robinho atuam no Brasil. Os demais trabalham no futebol europeu e chegaram, neste mês, ao final da temporada 2004/2005. Estão no limite da exaustão. A comissão técnica da Seleção, evidente, aplaudiu o gesto dos clubes. Carlos Alberto Parreira considerou como sensata a decisão. "Acho ótimo quando o jogador se entende com o seu clube. A CBF não tem nada com isso. Veja o Milan, disputou o título italiano até a penúltima rodada. Foi à final da Copa dos Campeões. Os jogadores tiveram um desgaste terrível." Kaká também comemorou a decisão. "Participei da maioria dos jogos do Milan na temporada. É claro que estou cansado, mas o clube vai me dar um mês de férias depois da Copa das Confederações. Vou lutar muito aqui, jogar para valer. Tirar o pé de jeito nenhum", revelou Kaká, que está servindo a Seleção desde a última semana de maio. Dida, seu companheiro de Milan, também vai tirar férias. Ricardo Oliveira foi "premiado" pelo Betis com três semanas de folga. "Nada mais justo. Conquistamos a Copa do Rei e nos classificamos para a pré-Copa dos Campeões da Europa. Vou descansar para voltar com tudo na próxima temporada." O Barcelona relutou, mas acabou dispensando Ronaldinho Gaúcho, que terá um mês de férias logo após a participação do Brasil na Copa das Confederações. Cortesia ao craque. Cortesia e bronca. Sem Ronaldinho, o Barça deixou de faturar 400 mil euros (R$ 1,3 milhão) de uma excursão na Ásia. Com Ronaldo Fenômeno foi diferente. O jogador pediu dispensa. Parreira relutou e depois cedeu. "O caso do Ronaldo não é o mesmo dos jogadores que negociaram com seus clubes. O Real Madrid já havia programado uma excursão para 9 de julho. Se ele fosse convocado para a Copa das Confederações, não teria férias. Mas, isso é assunto resolvido", explicou Parreira, que espera pelo menos fechar o torneio na Alemanha sem perder atletas contudidos por desgaste. Difícil, muito difícil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.