Ian Walton/Reuters
Ian Walton/Reuters

Após desistência de clubes ingleses, Superliga Europeia é suspensa

Anúncio veio depois de Manchester City, Manchester United, Liverpool, Arsenal, Tottenham e Chelsea tomarem a decisão de não disputar mais a competição

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2021 | 17h45
Atualizado 20 de abril de 2021 | 21h35

Apenas dois dias após o seu anúncio, a controversa Superliga Europeia foi suspensa nesta terça-feira, com a saída coletiva dos seis clubes ingleses. Manchester City, o primeiro a anunciar que deixou a polêmica competição, foi seguido por Manchester United, Liverpool, Arsenal,  Tottenham e Chelsea. O recuo é consequência da forte oposição ao projeto, que recebeu manifestações contrárias de todos os setores do futebol – treinadores, atletas que estão na ativa e ex-jogadores, dirigentes, e sobretudo de torcedores.

Em nota, a Superliga comunicou que vai "reconsiderar passos mais apropriados para reformular projeto". Também afirma que os clubes ingleses foram pressionados a sair.

"Apesar da anunciada saída dos clubes ingleses, forçados a tomar tais decisões devido à pressão sobre eles, estamos convencidos de que nossa proposta está totalmente alinhada com as leis e regulamentos europeus, como foi demonstrado por uma decisão judicial para proteger a Superliga de ações de terceiros", diz trecho da nota.

Os clubes ingleses estavam entre os 12 clubes fundadores que anunciaram a criação do novo torneio no domingo. Desde o anúncio, as equipes vinham sendo alvo de constantes críticas pelo sistema adotado pelo torneio e pela forma como foi criado, à margem da Uefa, maior detratora da competição. Outro temor era de que os atletas dos clubes da Superliga ficassem de fora da Copa do Mundo de 2022, no Catar.

O maior ataque de jornalistas, comentaristas e torcedores era em relação ao formato adotado, com a participação fixa de 15 times, os fundadores, sem qualquer possibilidade de rebaixamento ou acesso. O formato de "clube fechado" foi atacado até mesmo pelo próprio técnico do City, Pep Guardiola.

"Esporte não é esporte quando a relação entre esforço e recompensa não existe. Não é um esporte se o sucesso está garantido ou se não importa quando você perde. Já disse muitas vezes que quero uma Premier League (Campeonato Inglês) de sucesso, não apenas um time no topo", afirmou Guardiola, nesta terça-feira, em comparação com a competição nacional.

A forte e rápida repercussão negativa do lançamento do torneio fez Manchester United, Liverpool, Arsenal e Tottenham tomarem o mesmo caminho do City. Eles soltaram um comunicado juntos, nas redes sociais, às 18h55. O Chelsea oficializou sua saída pouco depois, às 21h, também em um comunicado nas redes. 

Na Espanha, apenas Real e Atlético de Madrid se mantinham firmes. O Barcelona já preparava o desembarque da Superliga, mas sem se indispor. Antes que o desmanche do torneio fosse completo, a Superliga optou por anunciar a sua suspensão.

Veja o comunicado da Superliga na íntegra:

A Superliga Europeia está convencida que o atual status quo do futebol europeu precisa mudar.

Estamos propondo uma nova competição europeia porque o sistema existente não funciona. Nossa proposta se baseia em permitir o esporte a evoluir enquanto gera recursos e estabilidade para toda a pirâmide do futebol, incluindo ajuda para superar as dificuldades financeiras vividas por toda a comunidade do futebol na pandemia.

Também proporcionaria pagamentos de solidariedade materialmente aprimorados a todos os interessados ​​no futebol.

Apesar da anunciada saída dos clubes ingleses, forçados a tomar tais decisões devido à pressão sobre eles, estamos convencidos de que nossa proposta está totalmente alinhada com as leis e regulamentos europeus, como foi demonstrado por uma decisão judicial para proteger a Superliga de ações de terceiros.

Dadas as atuais circunstâncias, devemos reconsiderar os passos mais adequados para reformular o projeto, sempre tendo em mente o nosso objetivo de oferecer aos torcedores a melhor experiência possível e, ao mesmo tempo, valorizar os pagamentos solidários para toda a comunidade do futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.