Clubes lutam para segurar craques

O futebol do Brasil não chamou a atenção, em 2002, só com a conquista do pentacampeonato mundial. A temporada recém-encerrada provou, mais uma vez, a incrível capacidade de renovação do País no esporte em que reina absoluto. Enquanto Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Rivaldo, Roberto Carlos, Marcos eram admirados nos quatro cantos do mundo, por aquilo que apresentaram na Ásia, ali mesmo no banco da seleção já estava Kaká, jóia rara da nova geração. Uma geração que está sob a mira de olheiros, empresários e executivos de clubes europeus e japoneses.Leia mais no O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.