Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Clubes rejeitam proposta para limitar troca de técnicos no Brasileirão

Proposta da CBF era para apenas uma única mudança no comando da equipe ao longo do torneio

Marcio Dolzan / RIO, Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2019 | 19h23

Os clubes da Série A do Brasileiro rejeitaram quase por unanimidade a proposta da CBF de limitar a uma única vez a troca de técnicos durante a competição, historicamente bastante alta. Houve ainda a apresentação de outras quatro propostas, mais brandas, mas não se chegou a um consenso. Assim, quase todos os representantes dos 20 clubes que participaram do Conselho Técnico na tarde desta sexta votaram por arquivar o projeto.

"A proposta dos treinadores não andou, e acho que foi uma medida inteligente. A minha proposta não era de ser utilizada este ano, mas seria um aspecto progressivo, para que futuramente pudesse implementar", contou o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan.

Para o dirigente, "o futebol brasileiro ainda não está preparado" para tal medida. "Tem que haver uma transição para isso. Tem que se preparar culturalmente o ambiente, depois pode-se fazer um ano com duas oportunidades de mudança, depois um ano com um", sugeriu.

O secretário-geral da CBF, Walter Feldman, considerou que, apesar de o projeto ter sido rejeitado, foi "um bom debate". "(Teve) a indicação de que isso seja amadurecido e discutido na próxima temporada", ponderou.

LIMITE 

O Conselho Técnico da CBF aprovou limite de inscrição de 45 jogadores por clube para o Brasileirão, com possibilidade de alteração de cinco nomes ao longo da competição - elevando, portanto, para até 50 ao total. Não há limites, porém, para uso de atletas da base (até 20 anos).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.