Clubes rivais unidos pela ciência

A criação do Centro de Estudos Avançados em Futebol, voltado para pesquisas científicas multidisciplinares ligadas ao esporte, uniu rivais históricos. Entre 25 e 27 de abril, Renato Lotufo, fisiologista do Corinthians, e Irineu Loturco, preparador físico do Palmeiras, darão o pontapé inicial do projeto com a organização de um congresso em São Paulo que abordará como o treinamento de força influi no esporte de alto nível. Até o final do ano, a dupla pretende organizar pelo menos outros três eventos dessa natureza. ?Queremos institucionalizar a ciência no futebol brasileiro, divulgando e discutindo dados e métodos de treinamentos utilizados pelas maiores equipes do Brasil?, explica Loturco. O Centro, que pretende se reunir periodicamente, tem como público alvo profissionais do futebol e acadêmicos em geral. Tanto que, no congresso inicial estão confirmadas as presenças de Luiz Alberto Rosan (fisioterapeuta do São Paulo) Vinícius Martins e Maurício Bezerra (médicos do Palmeiras) e os professores da USP Júlio Serrão, Valmor Trícoli e José Alberto Aguilar Cortez.?Esse projeto, que deseja agregar o maior número de profissionais do futebol e especialistas na área, começou a ser pensando em 1999, quando assisti a uma partida dos Estados Unidos contra o Brasil. Notei que, embora inferiores tecnicamente, os americanos possuíam uma condição física diferenciada. Eram superiores aos brasileiros em explosão, velocidade e potência. Hoje, o atleta não pode apenas se valer de sua condição técnica?, explica Lotufo. Loturco acrescenta que o processo de seleção natural que envolve os jogadores também contribuiu para que o grupo de estudos fosse pensado. ?O futebol mudou muito e, com o calendário apertado do jeito que está, os atletas passaram a depender muito da força e da velocidade.?

Agencia Estado,

13 de março de 2004 | 10h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.