Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Clubes serão punidos por cera de gandula

A conhecida ?malandragem? dos gandulas, habituados a fazer ?corpo mole? na hora de devolver a bola para o time visitante, pode estar com os dias contados. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) estuda a possibilidade de punir os clubes detentores do mando de campo se houver demora na reposição de bola ? o que ocorre em vários estádios do Brasil quando a equipe da casa está vencendo a partida. O procurador do STJD, Lindolfo Moraes, acena até com a hipótese de o clube infrator perder o mando de campo no caso de incidente envolvendo os ?gandulas preguiçosos?. ?O fato muitas vezes gera um clima de nervosismo, que pode culminar com agressões, hostilidades entre os atletas; temos de coibir isso?, disse. A escolha dos gandulas cabe aos clubes com mando de campo. Normalmente, os gandulas são meninos selecionados de comunidades pobres, próximas aos estádios. É assim, por exemplo, no Vasco. O clube só faz uma exigência: a de que todos estejam estudando. No dia do jogo, ganham uniforme e lanche e a orientação de como proceder. Coincidência ou não, São Januário é o local de maior incidência desses problemas. A história do futebol registra fatos inusitados com gandulas. Um deles aconteceu no jogo Olímpia x Araçatuba, em 1993, pelas divisões de acesso do Paulista. O Olímpia vencia por 2 a 0, quando o atacante Ari acabara de driblar o goleiro Moreira para diminuir a diferença. Tocou rasteiro e só não fez o gol porque o gandula Marcos Benedito foi mais rápido: entrou em campo e sob aplausos da torcida local chutou a bola para bem longe.

Agencia Estado,

20 de agosto de 2003 | 17h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.