André Borges/Estadão Conteúdo
André Borges/Estadão Conteúdo

Coelho espera melhorar a qualidade na saída de jogo do Corinthians

Peça fundamental na nova proposta tática, Cássio conta ter aumentado intensidade nos treinos

Dani Arruda, especial para o Estado, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2019 | 11h00

O técnico interino Dyego Coelho afirmou que tem como um dos objetivos no Corinthians nas últimas cinco rodadas do Campeonato Brasileiro melhorar a qualidade na saída de bola do setor defensivo. Contra o Internacional, principalmente no primeiro tempo, a estratégia não deu resultado. O time gaúcho adiantou a marcação e forçou o setor defensivo a soltar lançamentos em direção ao ataque, sem fazer a transição pelo meio de campo.

“O jogador precisa ser estimulado a fazer. Se não fizer ele nunca fará, não tem como pedir algo que não treinei. Essa qualidade no passe fica mais fácil do meio para frente, com jogadores que tem trato melhor com a bola. Mas na defesa, atrás, precisamos treinar, estimular, eles têm qualidade para isso, os zagueiros, o Cássio, o Ralf, o Gabriel, precisamos estimular, eles são inteligentes e precisamos tirar o melhor deles”, revelou Coelho.

O goleiro Cássio afirmou que vem aumentando a intensidade nos treinamentos e está mais adaptado ao novo estilo de jogo orientado por Coelho.

“Me senti confortável, treinamos essa saída com passes na semana. Teve lance que nem precisava olhar porque sabia que o jogador estava lá posicionado. Vamos evoluir ainda mais. Nenhuma vez forçamos (a saída), sempre foi com segurança, com qualidade. Vamos seguir trabalhando mas ficamos feliz com a evolução”, disse o goleiro.

Na sua opinião, o Corinthians terá “cinco decisões” pela frente e não pode mais deixar de somar pontos, principalmente quando atua em seu estádio. O time ainda terá pela frente Botafogo (fora), Avaí (casa), Atlético-MG (fora), Ceará (fora) e Fluminense (casa).

“Acho que o empate (contra o Internacional) é ruim porque perdemos alguns pontos que não deveríamos em outros jogos, mas fico feliz pela postura do time, a entrega. Se tivéssemos ganho lá atrás, um empate não seria ruim. Agora temos cinco decisões, temos que ter uma postura ofensiva, precisamos pontuar e subir na tabela”, completou Cássio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.