Divulgação
Divulgação

COL aprova cinco áreas testadas no jogo entre Ceará e Fortaleza no Castelão

Clássico pelo Campeonato Estadual foi observado para buscar melhorias no estádio

Agência Estado,

14 de abril de 2013 | 20h21

FORTALEZA - O Castelão foi aprovado no primeiro teste para a Copa das Confederações, neste domingo, durante um clássico entre Ceará e Fortaleza, vencido pelo time alvinegro por 1 a 0. De acordo com o Comitê Organizador Local (COL), o estádio foi aprovado nas cinco áreas nas quais estava sendo avaliado nesta tarde.

"Todas as áreas foram muito bem avaliadas e ajustes são sempre necessários. Há calibragens no sistema de som, teremos mais rádios para evitar áreas em que não haja comunicação entre as nossas equipes de apoio, mas tudo funcionou dentro do esperado", disse Tiago Paes, gerente geral de integração operacional do COL.

Uma das novidades foi a organização das filas de entrada em sistema de caracol. "Isso evita tumultos e diminui a velocidade das pessoas na chegada. Assim, as catracas ficam desafogadas. A PM do Ceará e a equipe da Arena Castelão gostaram do sistema e me falaram que pensam em adotá-lo. É isso que queremos. Organizar a competição e deixar legado, afirmou Paes.

Também foi ampliado o sistema de som, que agora tem 72 caixas, quatro vezes mais do que nos primeiros jogos. Na área de limpeza, os funcionários que trabalharão na Copa das Confederações passaram por um treinamento de padrões de coleta seletiva e orientações sobre o intervalo de tempo adequado para higienizar banheiros, áreas comuns e camarotes.

Com relação aos transportes, foi feito um teste na chegada da equipe e no desembarque. "Sei que parece coisa simples, mas quando temos uma seleção grande, como Espanha e Brasil, esse evento vira uma área de interesse. Trabalhamos, então com o gradeamento e proteção dos ônibus", explicou Tiago Paes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.