EFE/ Luis Eduardo Noriega
EFE/ Luis Eduardo Noriega

Avião com time da Chapecoense cai na Colômbia; 71 morrem

Queda aconteceu na madrugada desta terça-feira

O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2016 | 09h12

Atualizada às 14h53

A Aeronáutica Civil da Colômbia (Aerocivil) anunciou por volta das 8h40 desta terça-feira pelo horário brasileiro que o avião que levava o time da Chapecoense caiu na Colômbia. Os números atualizados indicam que 71 pessoas morreram. Apenas setes pessoas foram resgatadas com vida do total de 78 tripulantes, sendo que delas morreu após o início das buscas, o goleiro Danilo. O avião caiu nas imediações de Medellín e que levava a delegação da Chapecoense para a final da Copa Sul-Americana.

Constavam na lista de embarque 81 pessoas. Mas quatro estão no Brasil e não embarcaram: o prefeito reeleito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB-SC), o deputado estadual Gelson Merisio (PSD-SC), presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, e Plínio David De Nes Filho, presidente do Conselho Deliberativo do Chapecoense, e o jornalista Ivan Carlos Agnoletto, da rádio Super Condá. 

Os socorristas que trabalham nos escombros do acidente com o avião que levava a Chapecoense para a final da Copa Sul-Americana. O número de mortos inicialmente informado foi de 76. De acordo com a Polícia de Antioquia, o Estado onde fica o Aeroporto Internacional José María Córdov, em Rionegro, nas proximidades de Medellín, são cerca de 150 pessoas envolvidas nas buscas, que começaram já pela madrugada.

Quando o avião caiu, de acordo com populares ouvidos pelo canal de TV TeleMedellín, chovia muito forte na região. A chuva cessou nas últimas horas, o que facilita o trabalho dos socorristas. Imagens dos escombros mostram que apenas uma pequena parte da fuselagem do avião, que caiu em um morro íngreme, perto de algumas árvores altas. O restante da aeronave ficou destruída.

Apenas sete pessoas foram resgatadas com vida, sendo que uma delas já faleceu: o goleiro Danilo, herói da classificação à final. Seguem internados o goleiro Follmann, o o lateral-direito Alan Ruschel, o jornalista Rafael Henzel e os tripulantes Ximena Suárez, auxiliar de voo, e Erwin Tumiri, técnico da aeronave. O zagueiro Neto foi o último resgatado, horas depois dos demais, e está internado em estado gravíssimo.

JORNALISTAS

O voo que caiu nesta terça-feira nas proximidades de Medellín levava 21 profissionais de imprensa. O único sobrevivente foi jornalista Rafael Henzel, da Rádio Oeste Capital, que foi levado ao Hospital San Juan de Dios. A Fox, que transmitia a Copa Sul-Americana, levava seis profissionais: o comentarista Mario Sérgio Ponte de Paiva, ex-jogador da seleção brasileira, Victorino Miranda, Rodrigo Santana Gonçalves, Davair Paschoalon (Deva Pascovicci) e Lilacio Pereira Júnior, Paulo Clement.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.